Marina Abramović cura “coração partido” com xamãs brasileiros em longa

0 Compartilhamentos
0
0
0
0
0
nota_marina
Pôster do filme em inglês || Créditos: Reprodução

“Vocês são cheios de surpresas, contradições. Tão especiais, apaixonados, amam a vida. É tudo uma bagunça e vocês dão um jeito nisso”, esta é Marina Abramović, artista performática mais conhecida no mundo, falando de nós, brasileiros, em coletiva nesta terça-feira depois da projeção para imprensa de seu filme “Espaço Além – Marina Abramović”. Com direção do brasileiro Marco Del Fiol e pesquisa da também brasileira Paula Garcia, artista que trabalha com Marina em seu Instituto em Nova York, o filme teve pré-estreia no Iguatemi São Paulo nesta terça-feira e entra em cartaz no dia 19 de maio.

Em uma viagem espiritual pelo Brasil, Marina encontra xamãs, o médium João de Deus, mães de santo, entra em contato com comunidades religiosas nos confins do país e experimenta Ayahuasca – uma experiência dolorosa, filmada sem o conhecimento dela. O filme começa com Marina contando que uma xamã brasileira lhe disse que ela não pertence a Terra, que ela seria um ser galáctico e que estaria aqui por uma razão: “Ajudar os outros a transcender a dor”. Mas no decorrer do filme, se descobre que é a sua própria dor que ela quer curar, a dor de um coração partido, entre o final de 2012 e o início de 2013. “Para mim, a dor emocional é a pior, eu aprendi a controlar a dor física”. Perguntada se ela já estava curada, Marina responde: “Acho que as mulheres são as que mais sofrem com um coração partido. Eu chorava em todos os lugares: no supermercado, no avião… Meus amigos estavam chateados por eu falar sempre no mesmo assunto. Aí, vim para o Brasil, e os xamãs me curaram. Agora eu estou feliz e vou fazer 70 anos em novembro [no dia 30]. Minha avó havia me dito que a vida começa aos 70 e ela estava certa”.

Chegando aos 70, Marina se preocupa com a finitude e seu legado: “Os minutos finais do filme [quando aparece a mostra “Terra Comunal”, retrospectiva da artista no Sesc Pompéia, em São Paulo, onde o público explorou o ‘Método Abramović’ e seus objetos transitórios] mostram que não sou mais eu quem faz a performance, mas sim o público. Deixo meu legado, ferramentas para quando eu não estiver mais aqui”. (Por Verrô Campos)

Play para o trailer de “Espaço Além – Marina Abramovic”.

 

Você também pode gostar
Solidão Pandemia

Depois da tempestade

O restaurante que eu frequentava antes da pandemia reabriu. Esteve fechado por meses, e eu o tinha como…