Martin Bashir e, no detalhe, uma cena da icônica entrevista dele com Lady Di || Créditos: Reprodução

Jornalista que entrou para a história ao entrevistar Diana teria falsificado documentos para convencê-la a falar

0 Compartilhamentos
0
0
0
0
0
Martin Bashir e, no detalhe, uma cena da icônica entrevista dele com Lady Di || Créditos: Reprodução

Quase 25 anos depois de convencer a princesa Diana a lhe conceder uma entrevista exclusiva para a televisão, Martin Bashir voltou a ser notícia por causa de seu tête-à-tête histórico com a ex-royal morta em 1997. Segundo uma reportagem publicada nesse domingo pelo “The Sunday Times” de Londres, o jornalista britânico usou até extratos bancários falsos para convencer a mãe dos príncipes William e Harry a falar sobre sua conturbada relação com a família real do Reino Unido em um programa especial que a BBC exibiu no horário nobre e que foi assistido por 25 milhões de telespectadores, quase metade da população do país na época.

Os tais extratos bancários seriam das contas de um ex-chefe de segurança de Diana que estaria vendendo informações sobre a vida privada da então mulher mais falada do mundo para a mídia de lá, o que nunca foi provado. A própria BBC já tinha ouvido essa suposta versão dos fatos há tempos, e apesar de ter investigado o caso nunca descobriu nada que incriminasse Bashir (apesar de que seus executivos sempre desconfiaram que havia algo de muito estranho por trás de sua relação quase íntima com Lady Di, sempre intermediada pelo irmão dela, Charles Spencer).

Mas, de acordo com as fontes ouvidas pelo “The Sunday Times”, ele usou a seu favor o medo que Diana tinha desses vazamentos – que realmente ocorriam e sempre eram causados por pessoas em seu entorno – para convencê-la a ser entrevistada. Foi no icônico bate papo, um dos momentos mais marcantes da telinha nos anos 1990, que a eterna princesa do povo falou a frase “Haviam três pessoas nesse casamento”, sobre sua união com o príncipe Charles, que acabou em divórcio por causa da “interferência” de Camilla Parker-Bowles, naqueles tempos ainda apenas amante do primogênito de Elizabeth II. (Por Anderson Antunes)

Você também pode gostar