Irreverência e criatividade definem Thai de Melo Bufrem, que se tornou ‘queridinha’ das redes: “Sou piada pronta, fiz deboche da fama e virei famosa”

0 Compartilhamentos
0
0
0
0
0

Bom humor não falta a Thai de Melo Bufrem. Na verdade o humor irônico e irreverente é sua marca registrada. Em pouco mais de um ano ela se tornou uma celebridade da internet. ‘Famosa’, como se descreve na bio de seu Instagram. Fato é que Thai, nascida em Roraima e atualmente vivendo em Curitiba com o marido e os dois filhos, pode ser considerada uma influencer diferenciada, que foge dos padrões. Aos 34 anos, ‘ou seria 35?’, nem ela sabe, é jornalista por formação, mas acabou virando referência em produção de conteúdo criativo na internet, por seu estilo – Thai é puro charme -, e por seu olhar irônico e sincerão sobre a vida. Confira alguns highlights do divertido papo da live com Joyce Pascowitch:

INÍCIO
“As vezes me pego pensando por que fiz jornalismo e lembro que quando era criança fazia vários testes vocacionais e sempre dava que eu era muito comunicativa. Aí a associação é óbvia, né? Comunicação, jornalismo! As decisões de carreira eram ótimas antigamente. Fiz, mas nunca me vi ali. Depois de dois anos de faculdade, aos 23 e já mãe, decidi parar e me dedicar à minha família. Só quase seis anos depois retornei à graduação e concluí. Quando terminei a faculdade, com 30 anos, bateu o desespero e pensei: o que vou fazer da vida? Não sei fazer nada, nem inglês falo. Então fui trabalhar em um projeto que estava mal das pernas com o Marcelão, meu marido. Acabou que foi um sucesso, mas na hora percebi que não ia rolar trabalhar com ele e com os sócios. Então, decidi me jogar no mercado de trabalho e fui trabalhar em shopping, como vendedora, servindo as pessoas!”

IRREVERÊNCIA
“Sempre me incomodei muito com a propaganda. Muito! Como que elas pagam a conta de quase tudo no entretenimento e são tão chatas? Por que não têm conteúdo? No meu trabalho hoje em dia um lugar que amo me conectar é na legenda das fotos e os meus seguidores piram porque eu não posto nada em vão. A produção é toda feita por mim: monto o cenário, escrevo roteiros, ajeito a luz, me filmo. De uns tempos pra cá, venho me perguntando de onde vim desse jeito e acho que puxei muito meu pai. Ele teve uma vida excêntrica, toda a minha família é um pouco excêntrica, na verdade. Mas hoje acho que sou uma versão do meu pai que faz yoga. Assim como ele, me irrito muito. A maternidade, por exemplo, me irritou demais e o bom de se irritar é que a gente produz”.

HUMOR
“O humor aproxima as pessoas, né? Me faz questionar sobre o ego, sobre a fama. Tenho uma amiga que diz que sou uma piada pronta: fiz deboche da fama e fiquei famosa. Acho que tem tipos de humor e todo humorista, no fundo, é um pouco mal humorado porque a piada vem do que não dá certo. Quem tem o humor dentro de si só fica absorvendo tudo o que dá errado para verbalizar depois. Costumo dizer que quem ri de tudo não é humorista, é bobo. E eu não sou boba. pelo contrário, sou muito crítica!”

Play para conferir o papo completo:

Você também pode gostar
Solidão Pandemia

Depois da tempestade

O restaurante que eu frequentava antes da pandemia reabriu. Esteve fechado por meses, e eu o tinha como…