Gerald Thomas revisita o espetáculo ‘Terra em Trânsito’ para o novo contexto político, econômico e cultural. Saiba mais!

0 Compartilhamentos
0
0
0
0
0
Fabiana Gugli em ‘Terra em Trânsito’ / Crédito: Instagram

Não tem como negar que a pandemia mudou a maneira de fazer arte criando, assim, uma linguagem diferente da que estávamos habituados. Pensando nisso, o autor e diretor Gerald Thomas reformulou a dramaturgia de ‘Terra em Trânsito’, uma de suas principais obras, apresentada pela primeira vez em 2006, para o novo contexto político, econômico e cultural. Com estreia prevista para o próximo sábado, dia 10, às 20, o enredo da versão 2021 se mantém a mesma de 15 anos atrás: uma atriz (Fabiana Gugli) enclausurada no camarim com seus delírios, momentos antes de entrar em cena para cantar Liebestod, sua ária em ‘Tristão a Isolda’, conversando o tempo todo com um cisne judeu. “A versão original era, entre outras coisas, um desabafo político contra George W. Bush e a atual é um desabafo contra Donald Trump e outras outras coisas mais. Em 2006, a atriz se drogava com cocaína, agora ela se droga com pílulas de prescrição médica”, revela.

A proposta de Thomas para a versão teatro-cinema de ‘Terra em Trânsito’ é transpor o olhar da câmera para o olhar do espelho que encara a protagonista com uma filmagem estática, mas cheia de sentido. A montagem também celebra a parceria artística de mais de duas décadas entre Gerald Thomas e a atriz Fabiana Gugli. “O Terra de 2021 dialoga com o momento que vivemos. Estamos há um ano confinados dentro da casa, enlouquecendo aqui dentro sobre o mundo lá fora. Em 2006, estava no palco, com plateia, luz e cenário. Agora, tudo foi adaptado para o espaço íntimo da minha casa e objetos da minha trajetória teatral. Estou exposta, sem truques, nem artifícios e o texto para mim nunca fez tanto sentido: misturando a vida com a arte, a sala da casa com o camarim da diva, uma atriz/personagem que foi substituída ou esquecida. É através do espelho, no jogo de espelhos, que tudo acontece, agora dentro de uma tela”, disse Gugli.

A transmissão do espetáculo será gratuita através do YouTube, com acesso exclusivo pelo link. A temporada começa em abril nos dias 10, 11, 17, 18, 24 e 25, sábados e domingos, às 20 horas. A partir de 1º de maio, a peça ficará disponível por 24h por dia, todos os dias, até 31 de maio.

Você também pode gostar