Geração Z: O que as primeiras-damas que já habitaram a Casa Branca queriam transmitir com seus penteados?

0 Compartilhamentos
0
0
0
0
0
Os diferentes estilos das primeiras-damas dos EUA // Reprodução

por Cathy Burmaian*

O estilo de cabelo de uma pessoa pode dizer muito sobre ela. Que o digam as primeiras-damas norte-americanas. Pegando carona na chegada da novíssima primeira-dama, Jill Biden, vamos analisar o que diferentes mulheres que habitaram a Casa Branca queriam passar por meio de seus penteados. De Mary Lincoln até Melania Trump e Jill Biden, nunca foi só sobre aparência. Assim como o presidente e ex-presidentes pensam na cor, textura, comprimento e volume de suas madeixas, suas esposas fizeram e fazem o mesmo. Cabelo na Casa Branca é uma construção política.

Mary Todd Lincoln, primeira-dama entre 1861 e 1865, e mulher de Abraham Lincoln, 16º presidente dos Estados Unidos, muito criticada pelas roupas que usava ficou marcada na história por usar flores em seus penteados para simular uma espécie de coroa.

Jackie Kennedy foi a mais famosa da história, carismática, influente e elegante moldou a estética refinada dos anos 1960, ainda inspira fashionistas do mundo inteiro. Quando pensamos em Jackie, pensamos em seu cabelo sempre perfeito, solto ou em coques, sempre seguindo as tendências da época. Seu cabelo passou por várias fases, desde o estilo mais volumoso com muito fixador até o mais natural nas décadas seguintes. Até hoje famosas como Lana Del Rey e Sophie Charlotte se inspiram em Jackie. Um dos truques da ex-primeira-dama era sempre dormir com um lenço de seda nos cabelos para evitar frizz.

Eleanor Roosevelt, ativista famosa por seu trabalho humanitário e ex-primeira dama dos EUA, teve seu jeito de usar os cabelos copiado pelas mulheres modernas da época. Seu corte curto, minimalista e mais masculino, sugeriam que Eleanor era uma mulher de negócios.

Já Nancy Reagan, ex-atriz de Hollywood, era conhecida por seu estilo simples e chique. Também era adepta de madeixas curtas, com muito spray, sem nenhum fio fora do lugar.

Uma das mais conhecidas por mudar de visual regularmente era Hillary Clinton. Em sua candidatura para presidência em 2016, ela optou por um look mais clean, adotou um corte mais curto em camadas acima do ombro. Em uma de suas aulas em Yale, Hillary deu a letra “preste atenção no seu cabelo, porque todos irão notar” .

Dois anos após deixar a Casa Branca, Michelle Obama deixou para trás seu visual clássico de primeira-dama e, no ano passado, surgiu de cabelo natural com mechas douradas nas pontas. Instantaneamente se tornou um símbolo de libertação e serviu de inspiração para mulheres negras que ainda sofrem preconceito por seus  fios.

Melania Trump, conhecida por causar polêmicas com as roupas que veste, tem o mesmo estilo de cabelo há anos: longo, iluminado e escovado. Assim como seu marido diz “meu cabelo precisa estar impecável”. Sempre impecável e sofisticado, o comprimento atual, pouco abaixo dos ombros, enfatiza a mensagem que ela quer transmitir, de mulher mais séria com ambições políticas.

Enfim, chegamos a Jill Biden, adepta de corte e cor clássicos entre as norte-americanas de sua idade: cabelos acima dos ombros, repicado, com franjão e volume. O tom é quase platinado.  Como disse Hillary Clinton em 1995, “se eu quiser uma primeira página de jornal, é só mudar meu hairstyle”. O que vocês acham? (*Cathy Burmaian Loeb cursa o segundo ano do ensino médio, tem um e-commerce, o @getreadywithcc, e é apaixonada por maquiagem)

Você também pode gostar
Solidão Pandemia

Depois da tempestade

O restaurante que eu frequentava antes da pandemia reabriu. Esteve fechado por meses, e eu o tinha como…