Dicas para deixar os pais mais estilosos por quem entende do assunto. Aqui!

0 Compartilhamentos
0
0
0
0
0

Apesar de ser cercada por uma série de estereótipos, a figura paterna é algo particular de cada um – o cheiro, os trejeitos, as manias, os hobbies… e o estilo! E já que o Dia dos Pais está aí, Glamurama escalou três grandes nomes por trás dos bastidores da moda: os stylists Felipe Veloso e Paulo Martinez e o fotógrafo Lee Oliveira para desvendar os paradigmas e as conquistas do gênero que percorrem gerações . De quebra, dicas de presentes cheios de estilo para deixar seu pai na estica. Vem!

Felipe Veloso, stylist 

cine-felipe-veloso
Felipe Veloso e itens que combinam com seu estilo: bolsa e t-shirt Foxcom, canga Cotton Project e tênis Vert || Créditos: Divulgação/Reprodução Instagram

Glamurama: A o que você atribui o avanço da moda masculina, que está mais ousada a cada estação?
Felipe Veloso: “Percebo geracionalmente. Quando eu era pequeno, meu pai trabalhava de terno e gravata. Presente pra ele no Dia dos Pais era terno e gravata. Depois a moda ficou um pouco mais casual e passou para a camiseta polo e hoje o filho compra confortavelmente roupas para o pai em lojas como a Reserva, Osklen e Richards. Não tem mais a formatação que a gente tinha. Tudo está se equiparando mais.”

Glamurama: E a mudança do guarda-roupa masculino básico para o trendy que temos visto acontecer em ritmo acelerado nos últimos anos?
Felipe Veloso: “A informação chegou pra todos, e nos últimos dois anos, o mercado da moda passou uma mudança radical em decorrência disso. Hoje, é mais legal usar algo feito por um amigo do que o que está na vitrine. É preciso ter uma cara de oferta para que haja o interessa pelo que está na vitrine. O jeito de encarar a moda com novidades mudou. As pessoas não querem mais usar o que está todo mundo usando. Antes, os homens se preocupavam mais em usar coisas clássicas, que estavam mais ‘autorizados’ a usar, e agora querem consumir novas propostas e novos designers que sejam mais focados em lifestyle do que em tendências.”

Glamurama: Lojas favoritas para fazer compras:
Felipe Veloso: “A Foxcom, feita para um cara que gosta de surfar e de estar com uma roupa mais confortável, e João Pimenta.”

Glamurama: Um ícone de estilo:
Felipe Veloso: “Sem querer puxar a sardinha pra mim, mas considero o Caetano e Tom Veloso (pai e filho) [Felipe é stylist de Caetano Veloso] um exemplo de cruzamento geracional. Apesar da diferença de idade, eles dividem guarda-roupas. É uma democracia de formas e shapes que prova que a roupa não tem que ter idade hoje em dia.”

Lee Oliveira, fotógrafo do The New York Times Fashion

ny-look-1008
Lee Oliveira e itens que combinam com seu estilo: chapéu dos Yankees, mocassim Gucci, sneaker branco Kenzo, tricô Santo Homem e jeans Levi’s || Créditos: Divulgação/Reprodução Facebook

Glamurama: A o que você atribuiu o avanço da moda masculina, que a cada estação está mais ousada?
Lee Oliveira: “Minha contribuição na cobertura da semana de moda masculina pelo ‘The New York Times Fashion’ é um grande avanço. Eu posso fotografar e relatar ao vivo as últimas novidades diretamente das primeiras filas, apresentações e imagens do street style.”

Glamurama: Por fotografar nas ruas há mais de seis anos, como você  define esse pulo do básico para o trendy no estilo masculino? 
Lee Oliveira: “Alguns homens se tornaram grandes influenciadores de estilo durante as semanas de moda ao saírem da zona de conforto. Normalmente eles são aqueles que trazem as próximas tendências de estilo ao misturar novidades com sua assinatura pessoal de estilo.”

Glamurama: Como você define  seu estilo?
Lee Oliveira: “Eu gosto de manter meu estilo pessoal que é simples e confortável. Como viajo regularmente, eu mantenho em meu guarda-roupa/mala de viagem algumas peças-chave como calças denim da Levis’s e Ellus, variações de t-shirts e camisas de diferentes marcas que gosto, um par de mocassim da Gucci, um sneaker branco confortável, uma jaqueta Sandro preta de couro e meu velho amigo, o boné dos Yankees – time de baseball de NY. Este tem sido meu estilo há um tempo, tenho focado mais no estilo dos meus clientes e menos no meu ultimamente.”

Glamurama: Lojas favoritas para fazer compras:
Lee Oliveira: “As lojas vintage ao redor de Navigli, Milão e em Paris na Place des Vosges ou Saint-Honoré. Eu poderia facilmente deixar todo o meu pagamento em qualquer loja da Gucci. Dona Santa em Recife acabou de abrir uma loja online e eu comprei algumas peças da coleção masculina Santo Homem.”

Glamurama: Pode nos fazer um comparativo entre os estilos dos brasileiros, americanos e europeus?
Lee Oliveira: “A moda entre essas regiões globais são muito diferentes. Os americanos tendem a se vestir de forma mais casual, enquanto os europeus tendem a ter um olhar mais personalizado e menos esportivo. Já no Brasil, a moda muda de acordo com os estados e regiões, pois o país é muito grande e o clima muda drasticamente dependendo do local. A grande diversidade cultural do Brasil também influencia muito nas tendências de estilo dentro do país. Assim como os italianos, os brasileiros amam incluir cores e estampas que combinam com a personalidade vibrante deles.”

cine-paulo-martinez
Paula Martinez e itens que combinam com seu estilo: camisa cor de rosa Uniquo, calça de sarja Richards, tricô Gosha Rubchinskiy à venda na Dover Street Market, e sapato Dries Van Noten || Créditos: Divulgação/Reprodução Instagram

Paulo Martinez, stylist 
Glamurama: A o que você atribuiu o avanço da moda masculina, que a cada estação está mais ousada?
Paulo Martinez: 
“Gostar de uma moda mais trendy envolve cultura. Com o avanço da moda, os homens estão mais cultos com relação a isso. Eles têm parado de deixar que suas mulheres comprem suas roupas e passam a ir em busca disso. Um grande ganho para a indústria da moda.”

Glamurama: E como você ter percebido esta mudança nas ruas? 
Paulo Martinez:
“Percebo em determinados nichos. Acho que o homem de classe média, não desmerecendo a posição, ainda é resistente ao trendy. Temos uma cultura de moda muito pequena ainda, a camisa cor de rosa, por exemplo, até hoje é questionada. Lá fora a cultura de moda é maior, por isso eles se interessam mais pelo assunto. Nós, editores de moda, trabalhamos muito para isso com as informações passadas nos editorais em prol de menos preconceito e mais desejos. Algo meio homeopático.”

Glamurama: Lojas favoritas para fazer compras:
Paulo Martinez: “No Brasil a Richards, e lá fora a Dover Street Market, a Uniqlo e a Dries van Noten.”

Glamurama: Ícone de estilo:
Paulo Martinez: “Caetano Veloso, que é apropriado mas sem ser careta, e Woody Allen.”

Na galeria abaixo, cliques de street style por Lee Oliveira para se inspirar!

 

 

Você também pode gostar