Dica Suzuki SX4: Mario Manzoli e a paixão pelo wakeboard

0 Compartilhamentos
0
0
0
0
0

Foi paixão à primeira vista. Quando conheceu o wakeboard, Mario Manzoli sabia que o esporte ia fazer parte da sua vida. Ele, que trabalhava em um banco, hoje é dono do Wake na Veia, empresa para os alucinados pela modalidade. Suzuki SX4 e Glamurama conversaram com Mario, que contou um pouco sobre essa paixão e deu dicas para quem quer se aventurar sobre as águas.

Como você e o wake foram apresentados? Eu esquio desde pequeno e, quando tinha uns vinte e poucos anos, um amigo trouxe um wake de fora. Me apaixonei na hora! Ele ia sempre para Avaré, onde tinha casa, aí um dia eu me convidei para ir junto e, a partir daí, queria só ficar na água.

Daí para começar a competir demorou muito? Conheci o wake em 1995. Mas não tinha muita informação e nem noção que dava para fazer manobra, por exemplo. Dois anos depois, Pat McElhinney, um dos maiores nomes do esporte, veio no Clube de Campo dar uma palestra. Daí sim fui saber o que era wake, aprendi a fazer manobra e no ano seguinte fui para uma escola, em Orlando.

E quando foi o primeiro campenato? Foi em Igaratá, no interior de São Paulo. E o mais bacana é que foi nesse campeonato que o Marrreco, maior nome do wakeboard brasileiro, ficou pela primeira vez no topo do pódio. Em 1999 comecei a correr os campeonatos todos e deixei o banco para morar em Floripa.

Wake é um esporte para todos? É sim. Já vi criança com 2, 4 anos e gente com mais de 60 praticando. Eu recomendo dos 6 em diante. É um esporte fácil de aprender. Você já se diverte logo no começo. E com dois ou três meses já consegue fazer alguma manobra bacana.

Precisa de algum preparo anterior? Não precisa ser atleta, mas é bom ter cuidados, fazer musculação e cuidar da alimentação. Você tem que ter muita força nos braços e exercita muito as costas e as pernas. Mesmo quem é atleta ou faz academia há muito tempo sai da água com dor no corpo todo.

Quais as dicas para quem está começando? Quando eu comecei não tinha técnica e nem medo de nada e essa é a combinação mais perigosa. Eu tomava vários tombos, apagava, tinha amnésias temporárias… Hoje eu tenho técnica e medo. É bom aprender com pessoas que conheçam o esporte, estar em forma, se informar, usar os equipamentos de segurança.

Dá para resumir o prazer pelo wake? Difícil… mas além do contato com a natureza, de estar com em cima da água, do vento no rosto, o maior prazer é a evolução. Adoro aprender manobras novas. Isso é incrível!

*Conheça mais sobre o Suzuki SX4 em www.suzukiveiculos.com.br, curta www.facebook.com/suzukibr e siga no twitter @suzukiveiculos e no instragram @suzukibr.

 

Você também pode gostar