Após recusar dois papeis em novelas da emissora, Bianca não faz mais parte do time de atrizes da Globo / Crédito: Divulgação/TVGlobo

De “Malhação” até “O Outro Lado do Paraíso”, relembre os melhores papéis de Bianca Bin que acaba de ser dispensada da Globo

0 Compartilhamentos
0
0
0
0
0
Após recusar dois papeis em novelas da emissora, Bianca não faz mais parte do time de atrizes da Globo / Crédito: Divulgação/TVGlobo

Todo mundo ficou chocado com a notícia de que Bianca Bin foi dispensada da Globo nesta quinta-feira. Após recusar dois papeis seguidos em novelas da emissora, “A Dona do Pedaço” e “Salve-se Quem Puder”, ela não faz mais parte do time fixo de atrizes do canal. Para a imprensa, Bianca disse que quer descansar sua imagem na TV e que agora fará contratos por obra. E como já estamos com saudades de Bianca, relembramos as novelas estreladas por ela na Globo ao longo de 10 anos de muito trabalho.

Malhação (2009)

Divulgação/TVGlobo

Bianca Bin começou na Globo, em 2009, na novela adolescente “Malhação” com as personagens Marina e Penélope. Na trama, após muitas injustiças, Marina vive com o pseudônimo de Penêlope para trabalhar como estilista e conseguir dinheiro para buscar seus pais. Depois dessa temporada, Bianca fez um trabalho após o outro e só parou em 2017.

Passione (2010)

Divulgação/TVGlobo

No ano seguinte, Bianca interpretou Fátima em “Passione”. Na novela, a personagem já havia passado por poucas e boas, inclusive a descoberta de que sua irmã (Larissa Maciel) , na verdade, era a sua mãe, em uma das revelações mais chocantes da trama.

Cordel Encantado (2011)

Divulgação/TVGlobo

Em 2011, Bianca se tornou protagonista de “Cordel Encantado” na pele de Açucena/ Princesa Aurora Catarina. A história já mostrava a atriz bem mais desenvolta na televisão e em uma história lúdica. Criada no sertão por Euzébio (Enrique Diaz) e Virtuosa (Ana Cecília Costa), a Açucena é, na verdade, a procurada princesa Aurora, do reino de Seráfia do Norte, filha de rei Augusto (Carmo Dalla Vecchia) e rainha Cristina (Alinne Moraes).

Guerra dos Sexos (2012)

Divulgação/TVGlobo

Logo após Cordel, Bianca já emendou “Guerra dos Sexos”, junto com um elenco de peso que contava com Tony Ramos, Irene Ravache e Glória Pires. A sua personagem, Carol, era uma moça que fingia ser meiga, mas, na realidade, era uma vilã que só queria poder e riqueza. “Guerra dos Sexos” foi uma das primeiras produções que apresentou Bianca no papel de uma mulher má.

Joia Rara (2013)

Divulgação/TVGlobo

Também como protagonista, Bianca interpretava Amélia, uma moça pobre, gentil e batalhadora que se apaixona à primeira vista por Franz, personagem de Bruno Gagliasso. A moça é vítima de diversas armadilhas, mas consegue dar a volta por cima para viver seu grande amor.

Boogie Oogie (2014)

Divulgação/TVGlobo

Outra vilã interpretada por Bianca foi Vitória, que se tornou rival de Sandra, personagem de Isis Valverde. As duas disputam o amor de Rafael (Marcos Pigossi) na novela de época.

Êta Mundo Bom (2015)

Divulgação/TVGlobo

Apesar de não interpretarem um casal, esse foi o primeiro trabalho de Bianca Bin e Sérgio Guizé juntos (eles são casados na vida real). Na trama, ela deu vida à Maria e fez um ótimo par com Celso (Rainer Cadete), um amor que começa cheio de rivalidades e termina em casamento.

Segredos de Justiça (2016)

Em 2016, Bianca não esteve em novela, mas fez a série “Segredos de Justiça”, baseada no livro “A Vida Não É Justa” de Andréa Pachá, e participou de um episódio sobre adoção.

O Outro Lado do Paraíso (2018)

Clara (Bianca Bin) enfrenta Sophia (Marieta Severo) e a chama de assassina.

A última novela de Bianca foi “O Outro Lado do Paraíso” na pele da protagonista Clara. Essa foi a segunda novela ao lado de Sérgio Guizé e quando eles assumiram o romance. Os dois interpretavam um casal e a polêmica girou em torno do relacionamento abusivo dos personagens. Felizmente, Clara deu a volta por cima!

Você também pode gostar
Solidão Pandemia

Depois da tempestade

O restaurante que eu frequentava antes da pandemia reabriu. Esteve fechado por meses, e eu o tinha como…