Héctor Babenco
Héctor Babenco || Créditos: Andre Ligerio

Cinema de luto. Morre aos 70 anos Hector Babenco

0 Compartilhamentos
0
0
0
0
0
Héctor Babenco || Créditos: Andre Ligerio
Héctor Babenco || Créditos: Andre Ligerio

O cineasta Hector Babenco morreu na noite dessa quarta-feira, aos 70 anos, no Hospital Sírio Libanês, em São Paulo. Argentino radicado no Brasil, ele estava internado desde segunda-feira e sofreu uma parada cardíaca.

Um de seus trabalhos mais aclamados, “O Beijo da Mulher Aranha”, com Sônia Braga e Raul Julia, lhe rendeu uma indicação ao Oscar de Melhor Diretor e a estatueta de Melhor Ator a William Hurt. Em seu último filme, “Meu Amigo Hindu”, com Willem Dafoe, estreado em março deste ano, ele partiu de sua experiência na luta contra o câncer, embora fizesse questão de dizer que não se tratava de um filme autobiográfico. Em coletiva, Babenco revelou: “A ideia de ‘olha só o que aconteceu comigo’, de autoajuda, me envergonha. A proposta é uma declaração de amor ao cinema, se deter ao aspecto biográfico é uma versão limitada do filme”.

Os filmes “Pixote, a lei do mais fraco” (1980) – com Marília Pêra -,  “Ironweed” (1987) – com Jack Nicholson e Meryl Streep -, “Brincando nos Campos do Senhor” (1990),” Coração Iluminado” (1998) e “Carandiru” (2003) são outros que marcaram a carreira de Babenco. Glamurama transmite seus sentimentos à família e amigos.

*

O velório será nesta sexta-feira em São Paulo, na Cinemateca Brasileira, das 10 às 15 h. Confira aqui entrevista de Hector Babenco cedida ao amigo Isay Weinfeld em outubro de 2007.

Você também pode gostar