Foto: Leo Aversa

“Céus”, de autoria do premiado Wajdi Mouawad, entra em cartaz no Teatro Vivo, em SP

0 Compartilhamentos
0
0
0
0
0
Cenas da peça “Céus”, em cartaz a partir desta sexta-feira no Teatro Vivo || Créditos: Divulgação

Programa cultural dos bons estreia neste fim de semana em São Paulo, quando entra em cartaz no Teatro Vivo o espetáculo “Céus”, projeto recente do diretor Aderbal Freire-Filho. Primeira a estrear com a nova curadoria do teatro, a peça marca o segundo encontro de Aderbal e do ator e produtor Felipe de Carolis com o teatro de Wajdi Mouawad, premiadíssimo autor da nova geração. O primeiro encontro foi em “Incêndios”, peça fenômeno com o maior número de prêmios da história do teatro brasileiro, que rodou o país por três anos.

“Céus”, que estreou em 2016 no Teatro Poeira, no Rio, é imperdível pela discussão que traz as revoltas e a insatisfação da juventude em um mundo que sempre a castigou. “É uma peça com uma dramaturgia contemporânea, aberta, que dialoga com a poética ilimitada da cena”, reflete Aderbal.

Isolados em uma espécie de bunker, os personagens precisam desvendar um iminente atentado terrorista. Especialistas no assunto, eles também são confrontados com o misterioso desaparecimento de um membro da equipe. Abordando temas atuais, o texto caminha para uma profunda discussão sobre o terror e o mundo atual.

Diferente de “Incêndios”, que trazia a saga de uma personagem marcada por trágicos acontecimentos ao longo de décadas, “Céus” concentra a sua ação em um curto espaço de tempo.

A cenografia é assinada por Fernando Mello da Costa, luz de Maneco Quinderé, figurinos de Antonio Medeiros e trilha sonora de Tato Taborda. Em cartaz até 10 de dezembro.

*A pré-estreia da peça acontece nesta quinta-feira.

“Céus” no Teatro Vivo 
Duração: 110 minutos
Recomendação: 14 anos
Sexta R$ 50 | Sábado e Domingo R$ 60
Teatro Vivo – Av. Dr. Chucri Zaidan, 2460 (antigo 860) – Morumbi
Facebook: facebook.com/vivoencena – Instagram: @vivoencena
+www.ingressorapido.com.br

Você também pode gostar
Solidão Pandemia

Depois da tempestade

O restaurante que eu frequentava antes da pandemia reabriu. Esteve fechado por meses, e eu o tinha como…