21ª edição do É Tudo Verdade abre com “Fogo no Mar”, vencedor de Berlim

0 Compartilhamentos
0
0
0
0
0
tamanho cassio
Foto de Cássio Vasconcelos que esta na arte da 21ª Edição do É Tudo Verdade || Créditos: Reprodução Twitter

Em tempos em que os relatos da realidade têm interessado mais do que a ficção, o festival É Tudo Verdade anunciou, nesta quinta-feira, os selecionados da edição de 2016, que acontece de 7 a 17 de abril no Rio de Janeiro e em São Paulo. E, para o anúncio, o festival apresentou para a imprensa paulista o filme “Fogo no Mar”, do italiano Gianfranco Rossi, vencedor do Urso de Ouro no Festival de Berlim deste ano, que foca na crise dos refugiados na Europa sob a ótica da pequena Ilha de Lampedusa, que recebe milhares deles vindos da África e do Oriente Médio em barcos precários desde 1991. O filme ganha sua première latino-americana na abertura do festival em São Paulo, no dia 7 de abril.

Ao longo do festival, serão 85 títulos de 26 países, sendo 22 estreias mundiais. Entre os destaques, uma retrospectiva da obra do brasileiro Carlos Nader, o mais premiado diretor da história do festival, vencedor nos anos de 2008, com “Pan-Cinema Permanente”; 2014, com “Homem Comum” e 2015, com “A Paixão de JL”. “Precisávamos mostrar que diabo de talento é esse”, brincou Amir Labaki, fundador e diretor do festival.

A presença de muitos latino-americanos foi outro ponto ressaltado por Labaki, principalmente dois colombianos e uma produção entre Colômbia e Espanha, “Gabo: A Criação de Gabriel García Márquez”, já que o país nunca teve uma presença tão significativa no festival. Também entre os latino-americanos, Labaki ressaltou o chileno “Chicago Boys”, que trata dos economistas responsáveis pelo “milagre econômico” no Chile na era Pinochet.

E não é só “Fogo no Mar” que surpreendeu a todos vencendo o Urso de Ouro no Festival de Berlim. O próprio Gianfranco Rossi ganhou a Palma de Ouro em Cannes em 2013 com o documentário “Sacro GRA” e Michael Moore recebeu a mesma premiação em 2004 com “Fahrenheit 9/11”. E Labaki percebe essa entrada do documentário em lugares que antes eram só da ficção como ninguém: “O documentário é o gênero cinematográfico que está pulsando com mais força e a animação é o que está chegando mais perto”.

Por Verrô Campos

Aperte o play para o trailer de “Fogo no Mar”.

Você também pode gostar