28.01.2021  /  11:37

No Nacional de Combate ao Trabalho Escravo, Ivete Sangalo lidera o time de artistas que apoia o projeto #somoslivres

Ivete Sangalo para o projeto “Trabalho Escravo Nunca mais #somoslivres” || Créditos: Reprodução

28 de janeiro é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo, criado em 2009 para homenagear os três auditores fiscais do Trabalho assassinados neste mesmo dia, no ano de 2004, durante inspeção para apurar denúncias de trabalho escravo em fazendas da região de Unaí (MG), episódio que ficou conhecido como Chacina de Unaí. Infelizmente, essa ainda é uma realidade. Para se ter uma ideia, em 2019, 1.054 pessoas foram encontradas em condições análogas à escravidão no Brasil, segundo dados da plataforma Radar, da Subsecretaria de Inspeção do Trabalho (SIT) da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia.

Na tentativa de erradicar de uma vez por todas com a escravidão, artistas, personalidades e interessados na causa aderiram ao projeto “Trabalho Escravo Nunca mais #somoslivres”, iniciativa conjunta do Ministério Público do Trabalho (MPT), da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e da Unicamp na erradicação desse crime. Nomes como Ivete Sangalo, Daniela Mercury, Isabela Garcia, Maria Clara Gueiros, Letticia Munniz, Ricardo Tozzi, entre outros, já postaram em suas redes sociais imagens com a foto da campanha, camiseta e o vídeo, juntamento com o texto abaixo.

“28 de janeiro é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo, um crime que assola nosso país, transformando o ser humano em mercadoria, por meio de trabalho forçado, servidão por dívida, condições degradantes de trabalho e/ou jornadas exaustivas. Desde 1995, mais de 55 mil trabalhadores foram libertados da escravidão. Eu apoio o projeto “Trabalho Escravo Nunca mais #somoslivres”, iniciativa conjunta do Ministério Público do Trabalho (MPT), da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e da Unicamp na erradicação desse crime.
Faça a sua parte, disque 100 ou 180, acesse o www.mpt.mp.br, o app MPT Pardal ou o Sistema Ipê (https://ipe.sit.trabalho.gov.br) para denunciar.”

#todoscontraotraficodepessoas 
#trabalhoescravonuncamais
#somoslivres

@mptrabalho
@oit_trabalho
@unicamp.oficial