31.07.2019  /  7:55

No dia em que J.K. Rowling completa 54 anos, Glamurama relembra 5 dos melhores momentos da criadora de Harry Potter

J. K. Rowling || Créditos: Reprodução

A escritora mais bem sucedida da história faz aniversário nessa quarta-feira. Joanne Rowling, mais conhecida como J.K. Rowling (o K, de Kathleen, é uma homenagem a avó paterna dela), chega aos 54 anos de idade com mais de 450 milhões de livros vendidos no currículo, uma legião de fãs ao redor do mundo e como a principal força por trás de um dos maiores impérios do mundo do entretenimento – a marca Harry Potter, avaliada em US$ 24 bilhões (R$ 91 bilhões), e todas as outras coisas que dizem respeito ao bruxinho mais famoso da literatura e do cinema.

Diante de tantas conquistas, vale a pena relembrar cinco dos momentos mais marcantes da vida pública de Rowling. Continua lendo… (Por Anderson Antunes)

Ela só perdeu o título porque é generosa || Créditos: Reprodução

Primeira escritora bilionária

Em 2007, Rowling foi a primeira escritora a se tornar bilionária. Apenas outros três artistas famosos faziam parte do clube dos dez dígitos na época – os diretores George Lucas e Steven Spielberg, e a apresentadora Oprah Winfrey. Cinco anos depois, no entanto, Rowling perdeu o título de bilionário depois de doar mais de US$ 160 milhões (R$ 607 milhões) para várias entidades de caridade. A escritora já disse em entrevistas que possui muito mais dinheiro do que precisa, e que vive recebendo cartas de pessoas do mundo inteiro lhe pedindo ajuda financeira. “De vez em quando eu até ajudo”, ela falou certa vez.

Cassidy Stay no velório dos pais: a adolescente foi aceita em Hogwarts || Créditos: Reprodução

O gesto de carinho com Cassidy Stay

Em 2014, após descobrir que a adolescente Cassidy Stay – única sobrevivente de um massacre que dizimou sua família em Houston, nos Estados Unidos -, era fã de Harry Potter, a escritora enviou uma carta para a fã em nome do bruxo Alvo Dumbledore, o diretor da escola de magia Hogwarts. Rowling soube de Cassidy depois de assistir o pronunciamento dela no velório de sua família, no qual ela cita uma frase dita por Dumbledore em “Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban”: “A felicidade pode ser encontrada até mesmo no meio das trevas, quando nos lembramos de acender a luz”. Na carta para a adolescente, Cassidy é informada de que foi aceita para estudar em Hogwarts por sua “bravura” e recebe até uma lista de materiais do ano letivo.

Rowling em Harvard || Créditos: Reprodução

O discurso inspirador em Harvard

Um dos melhores momentos públicos de Rowling foi em 2008. Convidada para fazer um discurso durante uma formatura em Harvard, uma das mais conceituadas universidades dos Estados Unidos, ela surpreendeu os formandos e seus familiares com os temas que escolheu para a ocasião: os benefícios do fracasso e a importância da imaginação. Durante os vinte minutos em que falou para eles, Rowling usou seu próprio exemplo de vida para encorajá-los: “Ter fracassado foi fundamental para que eu criasse a obra mais importante de minha vida. O meu maior medo [do fracasso] se concretizou nesse momento e não tive outra opção a não ser transformar o fundo do poço na pedra fundamental que eventualmente me tirou dele,” ela disse.

A escritora não engole sapos no Twitter || Créditos: Reprodução

O estilo “verbo solto” no Twitter

Desde que concluiu os livros da saga Harry Potter, Rowling se tornou uma das vozes mais ativas do Twitter, onde costuma defender, entre outras minorias, os gays e os refugiados. Sem papas na língua, ela também já chamou de “idiota” um seguidor que disse que Serena Williams só fazia sucesso nas quadras de tênis por ter “um corpo masculino”. “Aham, meu marido fica igualzinho a ela quando coloca um vestido”, ela respondeu ao seguidor, incluindo no tweet uma foto de Serena em um vestido vermelho.

Ela não gosta de Trump mas defende o direito dele de falar o que quiser || Créditos: Reprodução

A defesa sem limites da liberdade de expressão

Outro que costuma ser alvo de Rowling no microblog é Donald Trump. Apesar de já ter defendido o direito dele de expressar seus pontos de vista (“Eu acho que quase tudo que o Sr. Trump diz é condenável. Eu o considero ofensivo e preconceituoso, mas ele tem meu total apoio para ser ofensivo e preconceituoso. Sua liberdade de expressão protege a minha liberdade de chamá-lo de ‘preconceituoso.’ Sua liberdade garante a minha”, ela disse certa vez), Rowling já se referiu a Trump como “alguém pior que Lorde Voldemort”, o grande vilão de Harry Potter.