12.11.2018  /  10:52

No aniversário de Ryan Gosling, relembre 5 dos papéis mais marcantes do ator na telona

Ryan Gosling || Créditos: Getty Images

Dá pra acreditar que Ryan Gosling, com essa carinha de novinho, está completando 38 anos nesta segunda-feira? De integrante do “Clube do Mickey Mouse” ao posto de um dos maiores galãs de Hollywood que ocupa atualmente, o astro canadense está mais em alta do que nunca e provavelmente deverá brilhar na próxima temporada de premiações por causa de seu novo filme, o elogiadíssimo “O Primeiro Homem”, no qual interpreta o astronauta Neil Armstrong.

Glamurama aproveita a deixa do aniversário do crush de milhões ao redor do mundo para relembrar 5 dos papéis mais marcantes dele na telona. Continua lendo… (Por Anderson Antunes)

Créditos: Reprodução

“Tolerância Zero”, de 2001

No polêmico longa do diretor Henry Bean, Gosling interpreta um judeu ortodoxo que se converte ao neonazismo, e o papel rendeu a ele elogios de vários colegas. A trama do filme, do tipo nitroglicerina pura, é baseada na história de vida real do americano Dan Burros.

Créditos: Reprodução

“Diário de Uma Paixão”, de 2004

Como não falar do romance no qual Gosling faz dobradinha com Rachel McAdams? Baseado no livro de mesmo nome do escritor Nicholas Sparks, o filme foi um sucesso inesperado e conquistou status de cult ao longo dos anos, com direito até a uma adaptação em Bollywood.

Créditos: Reprodução

“Half Nelson”, de 2006

Gosling recusou vários papéis em superproduções para atuar em filmes mais pequenos, inclusive vários independentes, como este drama sobre um professor viciado em drogas que rendeu a ele sua primeira indicação ao Oscar. E o cinema ganhou mais um rostinho bonito que por acaso também é craque na arte de interpretar.

Créditos: Reprodução

“A Garota Ideal”, de 2007

Típico caso de fracasso de bilheteria que conquistou a crítica especializada, a comédia dramática tem Gosling na pele de um cara tímido e introvertido que se apaixona por uma boneca inflável e faz com que todos ao seu redor embarquem na ideia de que a “escolhida” dele é real.

Créditos: Reprodução

“La La Land: Cantando Estações”, de 2016

Sim, ele é lindo, sabe atuar e também canta e dança bem, como provou (junto com Emma Stone) no musical hit que quase levou o Oscar de Melhor Filme do Ano em 2017 (se bem que levou por alguns minutos, lembra?). Era o sucesso que faltava na carreira do ator, que até agora tem sido muitíssimo bem planejada por ele.