03.12.2019  /  9:00

No aniversário de Julianne Moore, 5 razões que provam porque ela é uma das melhores atrizes do cinema

Julianne Moore || Créditos: Reprodução

Julianne Moore chega ao fim de sua quinta década de vida nessa terça-feira, dia em que completa 59 primaveras. Considerada uma das melhores atrizes de sua geração, a vencedora do Oscar por “Para Sempre Alice” é do tipo workaholic e já chegou a gravar cinco filmes em apenas um ano. Para 2020, ela já tem dois agendados, sendo um a cinebiografia da feminista americana Gloria Steinem.

Elogiada na grande maioria das vezes por esses trabalhos, Moore pode até não ser uma Julia Roberts (salário médio de US$ 10 milhões/R$ 42,4 milhões por longa, enquanto o da aniversariante não passa de um terço desse valor), mas a estrela indicada cinco vezes à maior premiação do cinema (contra quatro indicações de Roberts) certamente já deixou sua marca em Hollywood.

E a gente lista a seguir cinco razões que provam isso. Continua lendo… (Por Anderson Antunes)

Moore em cena de “Jogos Vorazes: A Esperança”

Indicações ao Oscar e muitos ingressos vendidos

Geralmente associada aos filmes mais “cult”, Moore participou de ao menos uma franquia de respeito na terra do cinema: ela interpretou a presidente Alma Coin nas partes um e dois de “Jogos Vorazes: A Esperança”. Somadas as bilheterias de ambos, o valor final passa de US$ 1,4 bilhão (R$ 5,9 bilhões).

A atriz no começo da carreira e hoje em dia || Créditos: Reprodução

Topa tudo por um “big break”

Mas nem sempre foi assim. No começo da carreira, por exemplo, Moore topava qualquer trabalho que surgisse mesmo quando sabia que se tratava de uma “bomba” (ou um filme que só dá prejuízo, de acordo com o jargão hollywoodiano). A sorte de dela é que essas produções nunca escapam ao olhos dos maiores diretores…

Cena de “Short Cuts – Cenas da Vida”, de Robert Altman || Créditos: Reprodução

Chegou, chegando em Hollywood

É o caso da escolha de Moore para “Short Cuts – Cenas da Vida”, de Robert Altman. O diretor a descobriu ao vê-la em um filme independente, e por isso resolveu contratá-la para o que acabou se tornando um dos papéis mais controversos da carreira da atriz (teve nudez frontal) que também a colocou no mapa.

Um filme comercial de vez em quando é bom || Créditos: Reprodução

Nem só de cinema independente vive uma estrela…

A propósito, vez por outra Moore estrela um arrasa-quarteirão. Além da franquia “Jogos Vorazes”, ela também deu pinta em “Jurassic Park: O Mundo Perdido” (US$ 618,6 milhões/R$ 2,6 bilhões em ingressos vendidos), e “Hannibal” (US$ 351,6 milhões/R$ 1,49 bilhão).

Steve Carell com sua colega de “Amor a Toda Prova” || Créditos: Reprodução

Trabalhar se divertindo é o que há

Por fim, Moore tem uma das qualidades mais buscadas pelos diretores em atrizes: ela tem veia cômica. Além de ter apresentado o “Saturday Night Live” no fim dos anos 1990 e de ter feito “pontas de luxo” em várias sitcoms americanas, a atriz também estrelou a comédia “Amor a Toda Prova” junto com Steve Carell.