21.05.2020  /  17:59

Nesta quinta, Joyce Pascowitch bateu um papo com Vera Iaconelli sobre relações familiares na quarentena

Joyce Pascowitch e Vera Iaconelli / Crédito: Instagram

O isolamento social tem forçado muitas famílias a se aproximarem mais. Para alguns, essa situação pode ser ótima, já para outros, nem tanto. E esse foi o tema da live de Joyce Pascowitch com Vera Iaconello, psicanalista especializada em parentalidade e relações familiares, e colunista da Folha de S. Paulo.

A conversa começou abordando maternidade, em especial, o primeiro contato da mãe com o bebê, desmistificando algumas ideias que já temos formadas em nossas cabeças do que é ser mãe. “É uma fantasia acharmos que o bebê que está na barriga é amado automaticamente. É um erro. O amor é sempre uma conquista. Mesmo quando sai de dentro de você, é um estranho. Por isso usamos a expressão: ‘Toda criança precisa ser adotada por alguém’, inclusive pela mãe biológica se for o caso”, explica Vera.

Além disso, a psicanalista falou também sobre a ilusão da família de ‘comercial de margarina’. “Quando você chega perto, nenhuma família é daquele jeito, e tudo bem ser assim”, conta. E a quarentena está obrigando muitas famílias a se conhecerem ainda mais: “Os casais estão mostrando a que vieram e vendo como funciona, mesmo, naquela intimidade mais miudinha. Algumas pessoas estão se dando muito bem. Outras estão se estrepando”.

Confira esse papo enriquecedor na íntegra. Play!

View this post on Instagram

Sobre família, sobre pandemia e muito mais

A post shared by Joyce Pascowitch (@joycepascowitch) on