Publicidade

1. Um dos mais graves problemas da crítica fácil às políticas do Governo é a falta de informação confiável. Um ilustre e inteligente intelectual e político a quem o Brasil muito deve (FHC), tem feito observações próprias do seu espírito provocador, mas à vezes mal informadas. Um exemplo gritante de que elas são comandadas mais pela emoção do que pela razão, foi o que disse há poucas semanas sobre o Biodiesel. Referindo-se ao recente (justificado e fundado) entusiasmo do Governo com relação ao pré-sal, ele afirmou com a maior tranqüilidade que o “biodiesel é hoje alguma coisa arqueológica , ninguém mais fala, sumiu…” Ignorou que em novembro realizou-se o 16º leilão de Biodiesel, onde 32 empresas venderam sua produção (preços ligeiramente abaixo do nível fixado) já com vistas à antecipação do plano B5 (5% de biodiesel na composição do óleo diesel) aprovado recentemente pelo Governo.

2. O programa do biodiesel ainda não é o sucesso que dele se espera devido à falta de matéria prima mais adequada. Hoje 4/5 do produto é extraído da soja(o outro 1/5 é de sebo bovino). As pesquisas agronômicas e tecnológicas devem ser aceleradas para encontrar-se suprimento que tenha menos relação com a alimentação e seja mais econômico, como parece ser o caso do pinhão manso. Enquanto isso, para provar que o biodiesel não é uma “coisa arqueológica”, o País começa a desenvolver um programa para a expansão do dendê. Parece claro que não avançaremos para o B10 se dependermos apenas da soja. A verdade é que o mundo do biodiesel está em ebulição com as pesquisas de variedade (para uso em áreas degradadas) pela EMBRAPA e da tecnologia pela PETROBRAS (o H-bio). Isso sem falar nos investimentos das empresas privadas do setor petrolífero(Shell, Exxon Mobil e British Petrolum) na busca do “biodiesel de segunda geração”.

3. Quando se analisa a evolução do número das 100 maiores empresas multinacionais entre 1990 e 2008, encontramos um quadro interessante que relativiza o festejado “declínio do capitalismo americano” que parece entusiasmar uma parte da nossa intelectualidade que continua insistindo na utopia. Veja abaixo o número dessas empresas por pais de origem:

Foto: Glamurama

Por Antonio Delfim Netto

VOCÊ TAMBÉM PODE GOSTAR

Gisele e o boom das propriedades equestres de luxo

Gisele e o boom das propriedades equestres de luxo

Esse artigo explora a crescente tendência no mercado imobiliário de luxo de valorização de propriedades com instalações equestres de alta qualidade. Utilizando o exemplo recente de Gisele Bündchen, que investiu milhões em um château na Flórida, GLMRM ilustra como essas instalações se tornaram mais do que um mero “extra”. Elas agora são consideradas investimentos inteligentes, especialmente em tempos de incerteza econômica, e representam um estilo de vida exclusivo que atrai a elite financeira global.

Instagram

Twitter