26.08.2019  /  10:13

Morte repentina de amigo é o motivo por trás do olhar de tristeza do príncipe Harry nos últimos dias

O príncipe Harry e Jules Roberts || Créditos: Reprodução

Os mais atentos devem ter percebido que o príncipe Harry anda meio cabisbaixo em suas aparições públicas mais recentes, e isso tem a ver com a morte de um amigo do peito do marido de Meghan Markle no começo do mês. O preparador físico Jules Roberts, que em 2013 ajudou Harry a entrar em forma para participar de uma expedição beneficente pelo Pólo Sul, foi encontrado sem vida no último dia 5 na casa onde morava no condado de Staffordshire, no norte da Inglaterra, em um aparente suicídio. Roberts tinha 37 anos, e deixou a mulher e uma filha.

De acordo com quem acompanha os Windsors de perto, o profissional de educação física foi um dos confidentes mais próximos de Harry e um dos poucos com quem o ele se abriu para falar sobre os problemas de depressão que teve no passado, e principalmente nos primeiros anos depois da trágica morte de sua mãe, a princesa Diana, em 1997. Em razão disso, Roberts foi escolhido por Harry para ser um dos gestores da Heads Together, a iniciativa que o “royal” lançou em 2017 justamente para dar luz ao tema da saúde mental, que escolheu defender publicamente.

Roberts foi enterrado na quinta-feira passada (no Reino Unido e em outros países do hemisfério norte, é comum que funerais sejam realizados em até duas semanas após a morte), apenas na presença de amigos e familiares. Mas Harry enviou uma carta para a viúva dele, que foi lida na ocasião para todos os presentes, e na qual o sexto na linha de sucessão ao trono britânico se referiu ao bff como “um verdadeiro diamante” e alguém que o inspirou a ser uma pessoa melhor. (Por Anderson Antunes)