17.06.2019  /  12:25

Morreu aos 95 Gloria Vanderbilt: designer e ícone do high society americano, mãe do apresentador da CNN Anderson Cooper

Gloria Vanderbilt em 1975 // Getty Images

Morreu nesta segunda-feira, aos 95 anos, Gloria Vanderbilt. Mãe do apresentador Anderson Cooper, da CNN, ela marcou época como designer de moda e figura famosa do high society americano. “Gloria Vanderbilt era uma mulher extraordinária, que amava a vida e vivia em seus próprios termos”, disse o filho em um comunicado. “Ela era pintora, escritora e designer, mas também uma notável mãe. Tinha 95 anos de idade, mas pergunte a alguém próximo a ela, e eles diriam a você: Era a pessoa mais jovem que eles conheciam – a mais legal e moderna.”

Nascida em Nova York em 1924, Gloria Laura Morgan Vanderbilt cresceu na França. Seu pai, o financista Reginald Vanderbilt, herdeiro de uma fortuna ferroviária, morreu quando ela ainda era bebê. Gloria se tornou foco da atenção da mídia quando pequena, apelidada de “a pobre menina rica” ​​em meio a uma intensa batalha de custódia entre sua mãe e sua irmã, Gertrude Vanderbilt Whitney, que acabou levando a melhor nos processos judiciais. “Quando adolescente, ela tentou evitar os holofotes, mas repórteres e cinegrafistas a seguiram por toda parte”, disse Cooper. “Ela estava determinada a fazer algo de sua vida, determinada a fazer um nome para si mesma, e encontrar o amor que ela tão desesperadamente precisava.”

Seu primeiro casamento foi com o agente de Hollywood Pat DiCicco em 1941, quando Vanderbilt tinha 17 anos.
Aos 21, ela assumiu o controle de um fundo de US $ 4,3 milhões que o pai havia lhe deixado. Se divorciou de DiCicco dois meses depois, e logo se casou de novo – desta vez com o maestro Leopold Stokowski – e começou a perseguir suas paixões.

Gloria teve dois filhos com Stokowski: Leopold e Christopher Stokowski. Em 1954, ela fez sua estréia no palco no drama romântico “The Swan”, na Pensilvânia. Publicou um livro de poesia no ano seguinte. Ela encontrou outro caminho para sua criatividade nos anos que se seguiram. Produziu desenhos de moda e têxteis que lhe renderiam o Prêmio Neiman Marcus Fashion de 1969, antes de criar uma linha de roupas prontas em meados da década de 1970.
Sob sua marca GV Ltd., ela venderia milhões de jeans com seu logo que virou marca registrada.