Gustavo Gennari e Alexandre de Botton

Moldar de forma ética a revolução tecnológica é missão abraçada por líderes empresariais

14.11.2017  /  17:50

Luiz Sergio Vieira e Miguel Setas || Créditos:  Paulo Freitas

Executivos e líderes das empresas EY, EDP, Fiap e Korn se reuniram esta semana na Câmara Portuguesa, em São Paulo, para firmar pacto que promete moldar de forma ética a revolução tecnológica, que tende a ganhar cada vez mais força no mundo empresarial. Batizado Pacto Empresarial pela Digitalização Humanizada no Trabalho, tem a missão de garantir a preservação de empregos à medida que a robótica chega às empresas.

Dado este primeiro passo, o grupo anunciou um summit sobre o tema, que será realizado no primeiro trimestre de 2018 reunindo executivos e especialistas em debates sobre a robotização de processos e o impacto na sociedade e nas companhias.  É esperado neste momento a adesão de mais empresas à causa, que tem como princípios fundamentais: humanização, liderança, integração, equilíbrio, capacitação, inclusão, conhecimento, transparência, segurança e comprometimento.

“Avaliamos que o mercado de trabalho deverá ser bem diferente a partir de 2025, com consideráveis transformações nas atividades operacionais, que vêm sendo reestruturadas por meio da robotização de processos. Com isso, a atenção deve voltar-se para o desenvolvimento das pessoas e formação de talentos que correspondam a essa nova realidade”, avalia Luíz Sergio Vieira, CEO da EY Brasil.

Gustavo Gennari e Alexandre de Botton || Créditos: Paulo Freitas