19.01.2020  /  9:00

Mega-coleção de arte avaliada em mais de R$ 4 bi vai a leilão por causa de divórcio. Entenda!

O ex-casal Linda e Harry Macklowe || Créditos: Reprodução

Uma das maiores coleções de arte privadas dos Estados Unidos vai a leilão em breve. O tesouro pertence a Linda e Harry Macklowe, que decidiram se divorciar em 2016 depois de 57 anos de casamento e desde então brigam nos tribunais para dividir a fortuna de mais de US$ 2 bilhões (R$ 8,3 bilhões) que ele, um grande investidor imobiliário de Nova York, acumulou desde seus primórdios na Big Apple.

Pelo menos metade da bolada está nos trabalhos de artistas como Pablo Picasso, Andy Warhol, Mark Rothko e Alberto Giacometti que os dois possuem. Só uma escultura deste último, batizada “Le Nez” pelo suíço, vale entre US$ 35 milhões (R$ 145,8 milhões) e US$ 65 milhões (R$ 270,8 milhões) e é cobiçadíssima por muitos bilionários.

Em outubro, o juiz responsável pelo divórcio dos Macklowes determinou que tudo deve ser vendido e o dinheiro arrecadado precisa ser divido em partes iguais entre eles, e no momento as principais casas de leilões do mundo, como Sotheby’s, Christie’s e Phillips, preparam suas respectivas propostas para ajudar o ex-casal com a partilha.

O momento, aliás, é ótimo para esse tipo de grande venda no martelo: na segunda metade de 2019, as receitas do alto mercado de artes caíram drasticamente justamente por causa da falta das chamadas “mega-coleções”, lembrando que a última vendida foi a de Nelson Rockefeller, em 2018, que levantou impressionantes US$ 800 milhões (R$ 3,3 bilhões). (Por Anderson Antunes)