14.10.2020  /  15:41

Maria Fernanda Cândido conta como é reviver o papel que considera um dos principais de sua carreira: “Exercício de empatia desafiador”

Maria Fernanda Cândido || Créditos: TV Globo

Maria Fernanda Cândido está de volta à televisão. Mas, calma, estamos falando de “A Força do Querer”, novela que passou originalmente na Globo em 2017, e acaba de ganhar reprise. Na trama, a atriz interpreta Joyce, uma mulher refinada e cheia de estilo, que ao mesmo tempo possui diversos conflitos com os filhos Ruy (Fiuk) e Ivana (Carol Duarte) , além do marido Eugênio (Dan Stulbach).

A atriz relembrou em entrevista os melhores momentos do trabalho em ‘A Força do Querer’ e a complexidade da personagem: “Creio que a ‘Força do Querer’ tenha sido um dos principais trabalhos que eu fiz na televisão”, revela. A seguir, confira o papo completo com a atriz.

Como você descreveria a Joyce?
A Joyce é uma mulher conservadora que tem os olhos mais voltados para os interesses individuais do que para os coletivos. Foi um exercício de empatia bastante desafiador que me ensinou a olhar mais profundamente para as feridas causadas pelas idealizações e expectativas frustradas de uma mãe profundamente ligada às tradições e costumes do seu tempo e da sua sociedade.

Você foi muito elogiada ao longo da trama. Considera que foi um dos principais trabalhos da sua carreira? 
Creio que a ‘Força do Querer’ tenha sido um dos principais trabalhos que eu fiz na televisão, levando em conta o tema que foi tratado pela novela, e que foi abordado pela primeira vez na televisão brasileira, a transexualidade. Foi um trabalho que teve imensa importância na minha trajetória.

Que cena tem vontade de rever?
As cenas com a Carol Duarte eram carregadas de dramaticidade, traduzindo uma relação difícil entre mãe e filha. Porém, apesar de todas as incompreensões, o amor entre as duas sempre esteve muito presente. Adoraria rever as cenas em que Ivana corta os cabelos, uma cena que para Joyce representa perder a filha que ela sempre sonhou. Já com Isis Valverde havia sempre muito humor no set. Joyce e Ritinha se detestavam aparentemente, mas têm traços de personalidade que se assemelham. Ambas mulheres fortes e femininas. O dia que elas foram fazer sessão de fotos na praia foi divertidíssimo. As cenas em que Joyce descobre que o marido Eugênio tem uma amante são desesperadoras para ela. Mas a maneira como ela se refaz e reconstrói sua vida é muito inspiradora. Será um enorme prazer rever essas cenas.

A novela foi muito bem-sucedida. A que atribui esse sucesso?
Ao excelente texto de Glória Perez. A direção sensível de Rogério Gomes, e ao trabalho do elenco e equipe.

E como foi a parceria com a Carol Duarte e o Dan Stulbach no set de filmagens?
Foi uma bela parceria. Creio que conseguimos construir uma família real. Com brigas, mas muito afeto e amor.