19.06.2020  /  14:15

Maria Casadevall e Larissa Nunes falam de sororidade na série ‘Coisa Mais Linda’. Ao papo!

Maria Casadevall e Larissa Nunes || Divulgação Netflix

Bossa nova, jazz, mulheres poderosas, lutas e muita emoção definem a segunda temporada de ‘Coisa Mais Linda’ que chega nesta sexta-feira, na Netflix. A série, que chega aos anos 1960, vai contar a história de Malu (Maria Casadevall), Adélia (Pathy Dejesus), Thereza (Mel Lisboa) além de mostrar o destino de Lígia (Fernanda Vasconcellos), que sofria agressões do marido constantemente na primeira temporada. Quem também ganha força nos novos capítulos é Ivone, personagem de Larissa Nunes, que conta com a ajuda de Malu para viver o sonho de ser cantora.

Pathy Dejesus (Adélia), Malu (Maria Casadevall), Thereza (Mel Lisboa) e Ivone (Larissa Nunes) || Divulgação Neflix

Larissa ressalta o laço de Ivone, sua personagem, com Malu (Casadevall), dona do bar ‘Coisa Mais Linda’: “O encontro com a Malu vai fazer entender que nós somos diferentes, mas ao mesmo tempo a gente poder se unir naquilo que é necessário, nos nossos sonhos, nos nossos desejos” comenta Larissa, que afirma que na segunda temporada a temática de união entre as mulheres vai ganhar ainda mais destaque: “A sororidade é um tema que se aprofunda mais nesta temporada”, explica. Para Maria Casadevall, o encontro das personagens “é uma ampliação de perspectivas”: ” A Ivone vem para aprofundar esse entendimento de que somos diversas, as dores nos atravessam de maneiras distintas mas que nós podemos encontrar lugares comuns de diálogo e de luta”, conta.

A narrativa da história traz aspectos que são muito atuais, mesmo acontecendo no século passado. Maria avalia como sua personagem possivelmente viveria e encararia os anos 2020: “Talvez a Malu de hoje seria essa mulheres que estão aí na luta, se identificando com diferentes causas. Cada uma dentro da sua trajetória vai plantando uma semente para que outra geração venha fortalecida e que nós, como mulheres brancas, possamos aprender com o movimento de mulheres negras nesse histórico de lutas”, finaliza. O papo completo você confere abaixo. (por Luzara Pinho)

Imagens: Netflix ||Edição: Helton Filipe Ricardo