16.08.2019  /  9:00

Madonna faz 61! Relembre 6 das maiores polêmicas criadas pela rainha do pop

Madonna || Créditos: Getty Images

Sua Majestada a Rainha está de aniversário nesta quinta-feira. Sim, é de Madonna que estamos falando – a rainha do pop! – que chega aos 60 anos de vida aparentando bem menos que a idade e com uma energia de fazer inveja em muitas de suas colegas de indústria mais jovens que, aliás, na maioria dos casos se espelham na material girl.

E se tem um coisa que Madge sabe fazer melhor do que ninguém é causar, tanto que a cantora se manteve em evidência ao longo de praticamente toda a carreira graças em parte aos escândalos que protagonizou, e que para a nossa alegria sempre fugiram do lugar comum e, em alguns casos, serviram para mudar certos costumes caretas.

Em homenagem a superstar, Glamurama aproveita a ocasião de mais uma primavera comemorada por ela e seus fãs para relembrar 6 desses momentos de “vogue” total dela. Continua lendo… (Por Anderson Antunes)

A cantora no polêmica comercial da Pepsi de 1989 || Créditos: Reprodução

Reclames de Madonna

Aparecer em um comercial da Pepsi era o desejo de qualquer astro ou estrela dos showbiz nos anos 1980, e Madonna – que foi escolhida pela fabricante de refrigerantes para ser sua garota-propaganda em 1989 – não somente conseguiu o feito como é até hoje lembrada pelo filminho publicitário que protagonizou na época, e cujo lançamento coincidiu com o de um de seus maiores hits: “Like a Prayer”. O motivo do bafafá tem a ver com o videoclipe do single, que era carregado de imagens polêmicas e tidas como anticristãs e incluiu até cruzes pegando fogo. O Vaticano não gostou, e anuncia que promoveria um boicote contra a Pepsi se o comercial não fosse tirado do ar imediatamente, o que acabou acontecendo. Mas a cantora mostrou a que veio e de quebra ainda levou pra casa um cachê de US$ 5 milhões (R$ 19,5 milhões). Mitou!

Não entenderam o recado dela || Créditos: Reprodução

Manifesto

Não é de hoje que ativistas pró e contra o aborto fazem barulho, e Madonna conseguiu irritar os dois grupos em 1986, quando lançou a icônica “Papa Don’t Preach”. A letra da música fala sobre uma adolescente que engravida sem ter planejado isso e, contrariando seu pai, decide dar a luz. De um lado, o hit imediato irritou os religiosos que  entenderam seus versos como uma “promoção” do sexo fora do casamento, enquanto os abortistas mais ferrenhos o consideraram como uma crítica da cantora a sua causa. Madge saiu pela tangente, surfando na atenção que recebeu na época, e sempre garantindo que o single foi pensado, na verdade, para ser um grito de guerra contra o poder dos homens sobre as mulheres.

Alguns dos cliques de Meisel || Créditos: Reprodução

Aquele livro…

E em 1992, Madge lançou “SEX”, um coffee table book recheado com fotos picantes e exclusivas dela, todas registradas por seu bff Steven Meisel – exceto as polaroides, que são de Fabien Baron. Quando teve a ideia de produzir a obra, ela logo ouviu da gravadora onde estava na época que seria prudente evitar os cliques mais polêmicos. E fez justamente o contrário, claro, já que o livrou causou uma comoção por conter imagens religiosas e até sua protagonista posando ousadamente junto com um cachorro. “SEX” chegou às livrarias na mesma época em que Madonna lançava seu álbum “Erotica”, e foi um dos assuntos do ano, logo entrando para a lista dos livros mais vendidos do “The New York Times”.

Um show de Madge no Canadá quase terminou com ela atrás das grades || Créditos: Reprodução

Empolgação no palco

Essa pouca gente lembra, mas Madonna quase foi presa em 1991. Durante um show de sua turnê “Blonde Ambition” em Toronto, no Canadá, a cantora se empolgou e, no calor do momento, fingiu estar se masturbando no palco. Na frente de milhares de pessoas. E durante uma performance que foi transmitida ao vivo pela televisão local. A cena rendeu tantas queixas de telespectadores e de parte do público que viu tudo de perto que a polícia chegou a investigar caso, mas para a sorte de Madge logo os ânimos voltaram ao normal e ela escapou do xilindró que, cá entre nós, ela teria virado avesso, não é mesmo?

Papo reto com David Letterman || Créditos: Reprodução

Festival de palavrões ao vivo

Um dos momentos mais lembrados até hoje de Madonna na telinha é a aparição dela no talk-show de David Letterman, o “Late Show”, em 1994. No pouco tempo em que esteve no ar, ela falou a proibidíssima palavra “f**k” nada menos que 13 vezes, sempre entre uma tragada e outra do charuto que fumou no ar, e também não poupou críticas ao anfitrião, a quem chamou de “doente” por usar sua vida sexual como material para as piadas dele. Letterman considera o episódio como um dos melhores de sua carreira, sem falar que o pivô de Madge no programa do comediante rendeu uma audiência espetacular que até o ajudou a conquistar um público maior e ao qual ele não estava acostumado.

Madonna com Spears (à esquerda) e Aguilera || Créditos: Reprodução

Beijinho, beijinho

O começo dos anos 2000 foi uma época difícil para Madonna, que passou a ter que dividir os holofotes com estrelas mais jovens e tão boas de polêmicas quanto ela, como Britney Spears e Christina Aguilera. Insatisfeita com isso, ela mandou seus agentes orquestrarem uma aparição ao lado das duas na entrega dos Video Music Awards de 2003. O que aconteceu a partir daí é história, e basta lembrar que Madge tascou um beijo nas duas ao vivo, ao som de “Hollywood”, e em um dos momentos que mais deram o que falar no noticiário pop daquele ano. A material girl deixou claro que seu trono não estava vago, não! E algum dia esteve?