15.01.2021  /  12:27

Madonna cai na boca da mídia internacional e é criticada por viagem com a família em meio à segunda onda da Covid-19

Madonna e família na África // Reprodução Instagram

Madonna segue em sua trip pela África, compartilhando imagens incríveis dos lugares que tem visitado com os filhos e com o namorado. Não demorou para se tornar alvo de críticas nas redes sociais e na mídia. Nas últimas três semanas, a popstar passou por cinco países: Estados Unidos, Reino Unido, Malaui, Egito e Quênia. A intensa movimentação da cantora, que não aparece em nenhum momento usando máscara de proteção, vai contra as recomendações de distanciamento social feitas pelas autoridades médicas mundiais em meio à luta contra a COVID-19.

Vários jornais internacionais publicaram matérias chamando atenção para o fato. Na Inglaterra, a atitude foi julgada pelas principais publicações locais, em jornais como ‘Daily Star’, ‘Daily Mail’, ‘Daily Mirror’ e ‘The Sun’.

Na internet, a turma não economizou: “Apenas ridícula”, escreveu o leitor de um dos jornais. “A Rainha da Hipocrisia”, disse outro. “Na idade dela, deveria estar isolada”, afirmou um terceiro, lembrando que a artista tem 62 anos e, portanto, faz parte do grupo de risco. “Eu sou a Madonna e as regras não se aplicam para mim”, ironizou  alguém.

Em meio a todo o burburinho, o jornal Daily Star afirma que os assessores pessoais de Madonna dizem que ela e sua família “têm passado por testes constantes de COVID-19 para se certificar que ninguém foi infectado”. Dona de uma fortuna estimada em £ 630 milhões, cerca de 4,7 bilhões de reais, Madonna estaria viajando a bordo de seu jatinho particular, se mantendo, junto com a família, distantes de muvucas de voos comerciais e de aeroportos.

De qualquer maneira, as autoridades internacionais falam de mais de 1,9 milhão de mortos em todo o mundo por causa da pandemia do novo coronavírus. Nos Estados Unidos são mais de 376 mil mortos e no Reino Unido mais de 81 mil. E no continente africano os números não param de crescer. Atualmente são 2,2 milhões de casos confirmados e quase 50 mil mortes.