19.03.2020  /  12:30

Kylie Jenner é essencial para os Estados Unidos vencerem a disseminação do coronavírus, afirma médico americano. Aos detalhes!

Jerome Adams e Kylie Jenner || Créditos: Reprodução

Acredite se quiser, mas a maior autoridade sanitária dos Estados Unidos declarou na manhã dessa quinta-feira que a luta contra o novo coronavírus não será vencida sem a ajuda de… Kylie Jenner! Em uma entrevista que deu agora a pouco ao “Good Morning America”, um dos principais telejornalísticos matutinos da televisão americana, o médico Jerome Adams disse que o mais importante no meio da crise de saúde que vivemos é informar o mundo sobre a gravidade do Covid-19 e como evitar sua contaminação, e nesse caso nada melhor que pedir auxílio aos principais influencers das redes sociais. “As pessoas estão morrendo”, afirmou Adams, que é o cirurgião-geral dos EUA e chefe operacional do Corpo de Comissionados do Serviço de Saúde Pública do país. “Precisamos reunir esse time de celebridades com bases de fãs enormes e instruí-las a colocarem a boca no trombone”, completou o doc, em seguida citando nominalmente a bilionária self made mais jovem da história e também os jogadores de basquete Kevin Durant e Donovan Mitchell como alguns dos integrantes da turma estrelada com potencial para nos salvar do pior.

Mais pra frente, Adams explicou que se baseou na relação que tem com os próprios filhos para concluir que Jenner e companhia podem ajudar na conscientização geral de que a doença que mais causa medo no momento é algo que realmente ameaça a humanidade para chegar à conclusão de que certas celebs também podem ser super-heróis. “Se eu mando eles fazerem algo, o resultado é que fazem exatamente o contrário. Mas se a ordem vem de algum influencer, eles obedecem”, contou o auxiliar direto de Donald Trump, que é pai de adolescentes de 14 e 15 anos. Adams concluiu seu raciocínio dizendo com todas as letras que novos números vindos da Itália indicam que o Covid-19 não é tão inofensivo assim para os jovens, como muitos pensam. “É bastante provável que a população mais jovem esteja correndo um risco bem maior do que o que pensávamos até recentemente, não são apenas os idosos que precisam de atenção especial. Todos estamos na mesma situação”, ele alertou. (Por Anderson Antunes)