18.06.2020  /  9:34

Kim Kardashian fecha acordo com o Spotify para apresentar podcasts sobre direito criminal. Vem saber!

Kim Kardashian || Créditos: Reprodução

Kim Kardashian acaba de dar um grande passo rumo ao seu objetivo de lutar pela reforma do sistema prisional nos Estados Unidos. É que foi anunciado nessa quarta-feira que a reality star fechou um acordo exclusivo com o Spotify para lançar uma série de podcasts nos quais deverá tratar do tema. A atração será co-produzida por ela junto com Lori Rothschild Ansaldi, que a ajuda a tocar a ONG Innocence Project. A entidade, que foi criada por Kardashian, é voltada justamente à promoção e ao auxílio em casos de pessoas condenadas injustamente pela justiça dos EUA, e exerceu papel fundamental na libertação de Alice Marie Johnson, em junho do ano passado, depois que sua fundadora convenceu o presidente Donald Trump a conceder o perdão presidencial para a agora ex-detenta que havia recebido uma pena perpétua por crimes comuns.

E além dos podcasts para o Spotify, a mulher de Kanye West participou recentemente das gravações de um documentário de duas horas que será exibido em breve pelo canal americano “Oxygen”, intitulado “Kim Kardashian West: The Justice Project”, e que deverá trazer mais detalhes sobre a jornada da mais famosa integrante do clã Jenner/Kardashian para interceder por presos condenados em última instância que possivelmente foram vítimas de falhas no sistema judicial americano.

Kardashian, que está estudando Direito e já avisou que em dez anos pretende dizer adeus ao showbiz para se dedicar à carreira de advogada, já fez até estágio em um grande escritório de advocacia de San Francisco. E além de Marie Johnson, o rapper A$AP Rocky também recebeu o apoio da superstar no ano passado, quando foi preso na Suécia sob a acusação de agressão em um caso ainda não muito bem esclarecido e quase criou um incidente diplomático, sem falar que Kardashian ajudou pelo menos outros 17 ex-presos americanos que haviam sido condenados injustamente à prisão perpétua a ganharem a liberdade. (Por Anderson Antunes)