26.03.2019  /  9:47

Julia Roberts fez “laboratório” com prostitutas antes de atuar em “Uma Linda Mulher”

Julia Roberts em cena de “Uma Linda Mulher” || Créditos: Buena Vista Pictures/Divulgação

A carreira de Julia Roberts se divide basicamente em antes e depois de “Uma Linda Mulher”, a comédia romântica que a transformou na maior estrela feminina de Hollywood nas últimas décadas. E é justo dizer que parte do sucesso conquistado pela atriz com a produção pode ser creditado às prostitutas com quem ela conviveu assim que foi convocada por Garry Marshall, que morreu em 2016, para interpretar a icônica acompanhante de luxo Vivian Ward.

De acordo com Barbara Marshall, a viúva do cineasta, Julia lhe procurou antes do começo das filmagens do clássico da telona de 1990 com o intuito de conhecer profissionais do sexo, já que na época Barbara trabalhava como voluntária em uma clínica médica de Los Angeles que atendia exclusivamente mulheres que ganhavam a vida trabalhando nas ruas de lá.

“Eu recrutei duas jovens pacientes da clínica e paguei US$ 35 (R$ 134) para cada uma conhecer Julia”, Barbara, que também atua, disse recentemente em entrevista ao jornalista Richard Johnson, do “New York Post”. “Daí voltei a cuidar das minhas tarefas e, cerca de 20 minutos depois, ouço a Julia gritando, ‘Tchacy, Barbara. Vamos dar uma volta, até mais tarde'”, relembrou.

O destino das três, acredite se quiser, foi Hollywood Boulevard, uma das vias mais famosas de LA, onde as “hookers” mais bem cotadas da cidade batem ponto. E o que de fato aconteceu no local quando elas baixaram lá será revelado apenas em um livro de memórias que Barbara está escrevendo, com lançamento previsto para o próximo ano. “Eu tenho muita honra de ter participado de tudo isso”, adiantou a autora em formação.

Com roteiro de J. F. Lawton e coestrelado por Richard Gere, “Uma Linda Mulher” custou meros US$ 14 milhões (R$ 53,9 milhões) e rendeu US$ 463,4 milhões (R$ 1,78 bilhão) nas bilheterias internacionais. No ano passado, uma adaptação teatral do filme estreou na Broadway, em versão musical, e se tornou desde então um dos maiores hits dos palcos de Nova York. Julia, aliás, já assistiu a montagem mais de uma vez. (Por Anderson Antunes)