14.09.2020  /  13:40

Joyce Pascowitch conversou com o professor Dante Gallian sobre a literatura como remédio da alma

Joyce Pascowitch e Dante Gallian / Crédito: Instagram

A literatura é o remédio da alma? Esse foi o tema discutido por Joyce Pascowitch e Dante Gallian na live de sexta-feira. O professor, historiador, mestre e doutor em História Social pela FFLCH-USP, além de fundador da Responsabilidade Humanística, encontrou na literatura uma maneira de entregar aos médicos uma formação humanitária e cheia de empatia. E tudo começou quando Gallian resolveu voltar de Florianópolis para São Paulo, sua terra natal.

“A minha carreira foi toda na área de história. Fiquei algum tempo também como professor no departamento de história da Federal de Santa Catarina, e aí fui convidado para estruturar o Museu Histórico da Escola Paulista de Medicina. Sou de São Paulo e, quando conheci Florianópolis nos anos 90 fiquei apaixonado. Então apareceu um concurso, passei e comecei a morar por lá. Adorei Florianópolis, mas comecei a entender o que é um paulistano vivendo fora de São Paulo. Quis voltar em busca da agitação, então assumi o museu”, relembra.

Desde então, o professor, também autor do livro “A Literatura Como Remédio: Os Clássicos e a Saúde da Alma”, começou a incorporar a leitura em suas aulas com alunos de medicina. “Minha paixão sempre foi a educação, principalmente ensinar a pensar sobre temas da vida, do humano. E cheguei numa época na medicina em que a gente tava começando a discutir a problemática da humanização, que significa que a formação do médico é uma formação muito técnica e muito científica. Então o médico estava preparado para cuidar do paciente como um conjunto de órgãos, que podem estar funcionando melhor ou pior, mas a gente sabe que a relação com quem está doente e sofrendo não pode ficar só no plano científico e técnico, tinha que ter mais empatia. Então comecei a trabalhar isso através da história da medicina”, explica Gallian.

O livro foi baseado justamente na experiência desenvolvida na escola de medicina que, partindo da leitura e discussão coletiva dos clássicos, gerou um poderoso efeito humanizador e terapêutico que vem transformando a vida dos alunos.“Através da literatura, pude levar esses alunos de medicina a pensar nos temas essenciais da existência humana: a dor, a morte, o amor, as relações, a empatia… Todos os grandes temas importantes e assim surgiu também o laboratório de leitura”, conclui.

A seguir, confira a nossa live com Dante Gallian!