Seu Jorge durante a #TogetherLive || Reprodução

Seu Jorge canta e manda papo-reto com ‘Negro Drama’, dos Racionais MC’s, em live beneficente

0 Compartilhamentos
0
0
0
0
0
Seu Jorge durante a #TogetherLive || Reprodução

No último sábado, Seu Jorge subiu no palco para arrasar mais uma vez em live beneficente #TogetherLive, promovida arrecadar fundos para projetos da ONU que tem como objetivo levar saneamento básico às pessoas que não tem acesso no Brasil. Entre um sucesso e outro, o cantor aproveitou para mandar um papo reto declamando ‘Nego Drama’, um dos raps mais famosos dos Racionais MC’s, lançado em 2002. Em cerca de sete minutos, a letra fala de discriminação racial, da violência e da realidade da periferia. No show, ele ainda falou sobre a importância do isolamento social, dos  cuidados com a higiene e do trabalho dos profissionais da saúde em meio a pandemia. Confira a live completa com direito ao trecho de ‘Negro Drama’.

 

Negro drama (Racionais MC’s)

Entre o sucesso e a lama
Dinheiro, problemas, invejas, luxo, fama
Nego drama
Cabelo crespo e a pele escura
A ferida, a chaga, à procura da curaNego drama
Tenta ver e não vê nada
A não ser uma estrela
Longe, meio ofuscadaSente o drama
O preço, a cobrança
No amor, no ódio, a insana vingança
Nego drama
Eu sei quem trama e quem tá comigo
O trauma que eu carrego
Pra não ser mais um preto fodido
O drama da cadeia e favela
Túmulo, sangue, sirene, choros e velas
Passageiro do Brasil, São Paulo, agonia
Que sobrevivem em meio às honras e covardias
Periferias, vielas, cortiços
Você deve tá pensando
O que você tem a ver com isso?
Desde o início, por ouro e prata
Olha quem morre, então
Veja você quem mata
Recebe o mérito a farda que pratica o mal
Me ver pobre, preso ou morto já é cultural
Histórias, registros e escritos
Não é conto nem fábula, lenda ou mito
Não foi sempre dito que preto não tem vez?
Então olha o castelo e não
Foi você quem fez, cuzão
Eu sou irmão do meus truta de batalha
Eu era a carne, agora sou a própria navalha
Tim-tim, um brinde pra mim
Sou exemplo de vitórias, trajetos e glórias
O dinheiro tira um homem da miséria
Mas não pode arrancar de dentro dele a favela
São poucos que entram em campo pra vencer
A alma guarda o que a mente tenta esquecer
Olho pra trás, vejo a estrada que eu trilhei, mó cota
Quem teve lado a lado e quem só ficou na bota
Entre as frases, fases e várias etapas
Do quem é quem, dos mano e das mina fraca
Hum, nego drama de estilo
Pra ser, se for tem que ser
Se temer é milho
Entre o gatilho e a tempestade
Sempre a provar
Que sou homem e não um covarde
Que Deus me guarde, pois eu sei que ele não é neutro
Vigia os rico, mas ama os que vem do gueto
Eu visto preto por dentro e por fora
Guerreiro, poeta, entre o tempo e a memória
Ora, nessa história vejo dólar e vários quilates
Falo pro mano que não morra e também não mate
O tic-tac não espera, veja o ponteiro
Essa estrada é venenosa e cheia de morteiro
Pesadelo, hum, é um elogio
Pra quem vive na guerra, a paz nunca existiu
No clima quente, a minha gente sua frio
Vi um pretinho, seu caderno era um fuzil, fuzil

Nego drama (…)
Você também pode gostar