Giselle Batista é Natasha em “Homens” || Créditos: Jairo Goldflus

Giselle Batista abre o jogo sobre sua personagem na nova temporada de ‘Homens?’, de Fábio Porchat: “Natasha saiu com quatro amigos e foi rotulada”

0 Compartilhamentos
0
0
0
0
0
Giselle Batista é Natasha em “Homens” || Créditos: Jairo Goldflus

A força feminina invadiu definitivamente a segunda temporada da série “Homens?”. Prova disso é a ascensão de Natasha, personagem cheia de personalidade interpretada por Giselle Batista, que vem para dar um chega para lá em tabus quando o assunto é sexo, aborto e liberdade sexual. Para o Glamurama, a atriz entregou mais detalhes de sua preparação para viver uma das protagonistas da temporada da série de humor criada por Fábio Porchat (os episódios da segunda temporada de “Homens?” já estão disponíveis no canal Comedy Central dentro da plataforma de streaming Amazon Prime) que traz à tona, de forma bem humorada, aspectos da sociedade que estão em constante mudança sobre machismo e empoderamento feminino. “A mulher foi super oprimida e o homem super exposto. Precisamos falar muito sobre o assunto para desconstruir essa realidade”. Na série, Giselle divide cena com um elenco de peso, que inclui, além de Fabio Porchat, Rafael Portugal, Gabriel Godoy, Raphael Logam, Gabriel Louchard, Yuri Marçal, Lua Branco, Lorena Comparato e Miá Mello. Ao papo! ( por Luzara Pinho)

Glamurama: Fala pra gente sobre a Natasha, sua personagem em “Homens”?
Giselle: A Natasha já participava da primeira temporada. Era uma menina que saía com o personagem do Fábio (Alexandre) , mas a gente não chegava muito perto da personagem, não se sabia ao certo o que ela pensava, quem ela era. Nesta temporada, a Natasha aparece grávida de um dos protagonistas, e aí entra a temática da liberdade sexual. Dessa vez a personagem se desenvolve. Ela tem a sua casa, seu trabalho. A segunda temporada tem uma força feminina muito grande, não só no elenco, mas também na equipe que faz a série acontecer.

Glamurama: Como foi a preparação para viver a Natasha?
Giselle: Eu sou apaixonada pela personagem. Natasha tem clareza, sempre fala sobre o que sente. Ela é um pouco das mulheres fortes que conheço, do meu ciclo mesmo: amigas, familiares. Me inspirei um pouco em cada mulher do meu cotidiano, que vejo batalhando.

Glamurama: Na série, a personagem é solteira e engravida. Como é abordar um tema que ainda é alvo de tanto preconceito?
Giselle: Ela vive o impasse de seguir com a gravidez ou não, e todos esses temas ainda são grandes tabus. Apesar da série ser de humor, ela tem esse lugar de questionar, levantar o assunto. Na história, a minha personagem assume as responsabilidades de pegar vários caras, o que para os homens sempre foi uma atitude normal.

Glamurama: É mais fácil falar sobre tabus e sexo dentro da comédia?
Giselle: Isso é um talento dos roteiristas. Por mais que, como atores, temos que achar o tom certo para falar. Mas o legal é abordar tantas questões importantes com leveza.

Glamurama: Por que é tão importante falar de liberdade sexual e empoderamento feminino?
Giselle: Os homens sempre viveram a liberdade sexual, isso nunca foi uma questão pra ninguém. A minha personagem saiu com quatro amigos, e foi rotulada. Vamos precisar de muita gerações para mudar isso, então temos que falar muito sobre o assunto para desconstruir essa realidade. Tem coisas e atitudes que repercutimos no nosso dia a dia que a gente repete sem pensar. Precisamos abrir esse diálogo. Eu ainda não tenho filhos, mas se um dia tiver, quero deixar um mundo diferente pra eles.

Glamurama: Como você lida com o sexo e a sexualidade na sua vida?
Giselle: Comecei a estudar teatro com 14 ou 15 anos e entre os atores o tema é muito mais discutido, a gente trabalha com nosso corpo. O teatro e a cultura me fizeram ampliar os horizontes desde cedo.

Glamurama: E sobre o feminismo?
Giselle: Nos tempos de escola era muito comum as pessoas tentarem criar rivalidades entre eu e minha irmã gêmea, a Michelle, instigando a competição de quem era mais inteligente, ou mais bonita. Muito antes de entender bem o que era o feminismo, a gente se defendia, nunca caímos nessas provocações. Não queríamos estar uma contra a outra. Eu e ela sempre fomos muito unidas e sempre falo que minha irmã é o grande amor da minha vida. Lutávamos por isso e nem sabíamos.

Glamurama: Qual a maior diferença entre homens e mulheres quando o assunto é sexo?
Giselle: A mulher foi super oprimida e o homem super exposto. Para eles, é ‘ok’ pegar todo mundo e as mulheres sempre ouviram a clássica e tenebrosa frase: “essa é para casar”. Os sexos foram empurrados para caminhos opostos e na verdade, cada um tem que achar seu próprio caminho, não existe uma receita.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Love of my life ??‍♀️ #twins #sisters #gemeas #irmas

Uma publicação compartilhada por Giselle Batista (@gisellebatista) em

Você também pode gostar
Solidão Pandemia

Depois da tempestade

O restaurante que eu frequentava antes da pandemia reabriu. Esteve fechado por meses, e eu o tinha como…