Noble Black e Marc Rozic, e o príncipe Mohammed bin Salman || Créditos: Getty Images/Reprodução

Como o príncipe herdeiro da Arábia Saudita ajudou um casal gay americano a celebrar o amor

0 Compartilhamentos
0
0
0
0
0
Noble Black e Marc Rozic, e o príncipe Mohammed bin Salman || Créditos: Getty Images/Reprodução

A visita de Mohammed bin Salman aos Estados Unidos  por pouco não estragou os planos de um casal apaixonado. Glamurama explica: o príncipe herdeiro da Arábia Saudita escolheu o suntuoso “The Plaza” de Nova York para se hospedar, e logo que chegou ao local mandou reservar doze suítes a mais do que estava planejado. Tudo por questões de segurança, já que ele vive aumentando a equipe de guardas-costas.

O problema é que o Plaza já tinha separado os quartos para os convidados de um casal que tinha a cerimônia marcada nos salões do hotel. Por coincidência, na mesma semana em que bin Salman baixou por lá. Resultado: pra não perder os clientes, a gerência do hotel acomodou os pombinhos e companhia na concorrência – nos igualmente desejados Four Seasons e The Pierre – e assumiu o prejuízo pelo overbooking, coisa de uns US$ 15 mil (R$ 55,8 mil).

Só que a história não acabou aí… Emily Reifel, a responsável por eventos especiais do Plaza, se solidarizou com os futuros cônjuges e fez de tudo para compensar o contratempo, tanto que providenciou um café da manhã especial para eles, tipo aquele de “Uma Linda Mulher”, com direito a muito champagne e morangos, e cuidou pessoalmente dos detalhes da recepção da dupla que rolou no mesmo espaço onde Donald Trump e Marla Maples se tornaram marido e mulher, em 1993.

No fim deu tudo certo, e a melhor parte é que a presença maciça dos seguranças de bin Salman no local acabou se tornando uma espécie de “seguro contra penetras” para os anfitriões – no caso, o corretor de imóveis Noble Black e o modelo Marc Rozic. Ninguém além dos convidados para o casório e outros hóspedes do cinco estrelas passavam pelos grandões. É justo dizer que por essa “mãozinha” nem bin Salman, que sonha em tornar seu país no mais moderno do Oriente Médio, esperava. Love wins! (Por Anderson Antunes)

Você também pode gostar
Solidão Pandemia

Depois da tempestade

O restaurante que eu frequentava antes da pandemia reabriu. Esteve fechado por meses, e eu o tinha como…