04.12.2017  /  10:23

Ícone máximo da alta sociedade carioca, Carmen Mayrink Veiga morre aos 88 anos

Carmen Mayrink Veiga clicada por Henry Clark no Carnaval de 1965, no Rio || Créditos: Reprodução Instagram

O Brasil dá adeus a uma de suas figuras mais ilustres. Morreu no Rio na tarde desse domingo, , aos 88 anos, enquanto dormia em sua casa, Carmen Mayrink Veiga, uma das mulheres mais icônicas da alta sociedade carioca. Ao lado do empresário Tony Mayrink Veiga, que morreu em junho de 2016, ela formou um dos casais mais sofisticados das décadas douradas da cidade. Juntos tiveram dois filhos, Antenor Mayrink Veiga e a atriz Antônia Frering.

Elegante como poucas, a socialite era presença certa nos jantares e festas mais disputados do jet set internacional, bem como nos desfiles de alta-costura de Paris. Uma das primeiras compradoras de alta-costura do Brasil, tinha entre suas maisons favoritas Yves Saint Laurent e Givenchy. Era cliente, musa e amiga pessoal de muitos estilistas nacionais e internacionais, entre eles, Guilherme Guimarães.

Também foi retratada por artistas renomados como Candido Portinari, Di Cavalcanti e Andy Warhol. Suas festas, viagens e estilo de vida fizeram parte do imaginário de gerações. Para Carmen, o cabelo comprido e volumoso era a moldura do rosto de uma mulher – e sua marca registrada. Dona de um refinamento e bom gosto ímpares, foi uma das grandes damas do país.

Por conta de um grave problema no quadril – foi diagnosticada portadora de paraparesia tropical -, Carmem passou seus últimos anos de vida andando de cadeira de rodas, motivo pelo qual se tornou ativista da causa dos cadeirantes. Abaixo, cliques que marcaram a história de Carmen Mayrink Veiga. Vai deixar saudade!