07.12.2018  /  10:46

Há exatos 22 anos, Diana e Charles se divorciavam. Relembre 5 fatos sobre os bastidores do rompimento épico deles…

Diana e Charles em um de seus últimos cliques juntos || Créditos: Getty Images

O divórcio de Angelina Jolie e Brad Pitt pode até ser um dos mais comentados entre os rompimentos recentes de famosos, mas o da princesa Diana e do príncipe Charles certamente é o mais bombástico das últimas três décadas. Oficializado há exatos 22 anos neste 9 de dezembro, o fim do casamento real mais comentado dos anos 1980 e 1990 teve aspecto de thriller hollywoodiano em vários momentos, e Glamurama pega carona na deixa de seu “aniversário” para relembrar alguns dos maiores bafões de bastidores do “royal break-up”. Continua lendo… (Por Anderson Antunes)

Créditos: Reprodução

Diana solta o verbo na “BBC”

Os altos e baixos da união de Diana e Charles são bastante conhecidos, mas o que de fato marcou o final épico da vida a dois deles foi a entrevista do tipo nitroglicerina pura que ela concedeu ao programa “Panorama”, da “BBC”, na qual falou abertamente, sempre com um olhar cabisbaixo, sobre o caso do marido com Camilla Parker-Bowles e chegou a declarar que duvidava da capacidade dele de se tornar rei. Ao saber disso, a rainha Elizabeth II pegou uma caneta e um papel e escreveu uma carta de próprio punho para a então nora lhe dando uma ordem: “Diana, querida, acho que chegou o momento de você sair da nossa família”. Ui!

Créditos: Getty Images

Philip integrou o #TeamDiana

Apesar do posicionamento contrário da monarca, o marido dela ficou do lado de Lady Di durante o imbróglio conjugal, conforme evidenciado em cartas enviadas por ele para a mãe dos príncipes William e Harry. Reveladas em setembro, as correspondências mostram que Philip, que tem fama de ser durão, chegou a escrever que não entendia
como alguém em sã consciência poderia trocá-la por Parker-Bowles. Ah, ele sempre as assinava esses textos com um “Com amor, Pa”, que é o diminutivo de “Papa” (ou “Papai”), maneira como os Windsors se referem aos pais na intimidade.

Créditos: Getty Images

Sem título real mas com pompa de sobra

Ao se divorciar de Charles, Diana perdeu o direito de ser chamada de Sua Alteza Real e, com isso, tecnicamente deixou de ser princesa, apesar de que é até hoje conhecida assim. Ela também precisou abrir mão de todo aparato real que tinha à sua disposição como membro da família real (segurança, assessores mil etc.) e só conseguiu continuar vivendo no Palácio de Kensington, hoje a residência oficial dos filhos dela em Londres, por uma questão de generosidade do ex-marido. Mas junto ao público, claro, Diana nunca deixou de ser vista como a mais nobre das criaturas.

Créditos: Getty Images

Toma aqui seus milhões e suma

Pelo lado financeiro da coisa, o divórcio de Charles foi um excelente negócio para Diana. Como ele não curtia nem um pouco a ideia de ver a mãe de seus filhos, sendo um deles um futuro rei da Inglaterra, vivendo na pindaíba, sua ordem foi deixá-la o mais confortável possível nesse aspecto. As cifras variam, mas pelo que já foi publicado sobre o assunto dá pra dizer que a mulher mais fotografada de seu tempo recebeu pelo menos US$ 24 milhões (R$ 94,1 milhões) para encerrar a disputa conjugal. A fortuna foi herdada por William e Harry depois da morte dela, menos um ano depois do acordo, em 31 de agosto 1997.

Créditos: Getty Images

A imprensa teve papel fundamental

Pelo bem ou pelo mal, Diana foi a primeira “royal” britânica que priorizou um ótimo relacionamento com a imprensa, lembrando que tempos atrás os sangues-azuis do Reino Unido achavam que isso era coisa de gentinha. Muito antes do advento das redes sociais, ela descobriu que ser bem retratada nos jornais e revistas é um dos maiores “assets” que uma personalidade pode ter, e manteve uma linha direta com alguns jornalistas específicos durante todo o processo de divórcio. E olha que nesse sentido ela fez escola, tanto que Charles hoje em dia não diz uma vírgula em público sem consultar seus assessores de imagem antes.