03.04.2016  /  8:13

Gustavo Von Ha desconstrói obras renomadas em novo projeto

Créditos: André Ligeiro/Divulgação
Gustavo Von Ha e a obra de sua autoria “Inventário Arte Outra; não-pintura 01 AV” (2014)|| Créditos: André Ligeiro/Divulgação

A Bienal do Ibirapuera é palco a partir da próxima quinta-feira para a SP-Arte 2016, maior feira de arte contemporânea da América Latina. Entre as obras brasileiras de maior destaque em exibição, estão as que integram o projeto “Inventário; arte outra”, de Gustavo Von Ha, representado pela Galeria Leme. Focado na empreitada desde 2014, Von Ha atua quase como um falsificador na produção deste trabalho. Ele buscou lacunas na história da arte brasileira que foram preenchidas com “obras” que poderiam ter existido em determinados períodos, como o Informalismo, por exemplo, que não teve grande relevância por aqui.

Para isso, o processo artístico foi derivado da desconstrução de cópias de obras de grande relevância. As principais influências do artista, que não se considera pintor, são: Sergio Romagnolo, “pela maneira de pintar, ‘apagando’ as imagens com muita tinta branca”;  Nuno Ramos, “por acompanhar sua produção desde que me conheço por gente”; Beatriz Milhazes, “ela pinta em outro suporte e depois transfere as imagens para a tela”; e Adriana Varejão, que “lida o tempo todo com o corpo da pintura, as peles que a tinta cria, etc”, como explica Gustavo.

Em tempo: não é de hoje que Gustavo Von Ha mistura realidade com ficção. Tanto que seu último trabalho consistia na divulgação de filmes que nunca existiram – com direito a trailer e tudo.  “Inventário; arte outra” também vai virar exposição individual no MAC-USP, prevista para ser inaugurada no segundo semestre deste ano.

cine_obras
Obras “Inventário Arte Outra; não-pintura 09 HB”(2015) e “Inventário Arte Outra; não-pintura 02 AV”(2014) do projeto “Inventário Arte Outra”, de Gustavo Von Ha|| Créditos: André Ligeiro/Divulgação

SP-Arte/2016 
Horários
Quarta, 6 de abril (Preview para convidados)
Quinta a sábado, 7 a 9 de abril: 13h–21h
Domingo, 10 de abril: 11h–19h

Pavilhão da Bienal
Parque Ibirapuera, portão 3
Avenida Pedro Álvares Cabral, s/n – São Paulo, Brasil
+www.sp-arte.com