Gui Bartel

Gui Bartel || Créditos:

Gui Barthel, o empreendedor que ganhou R$ 100 milhões só com o Baixaki

14.11.2016  /  8:02

Gui Bartel || Créditos: Miguel Lebre
Gui Barthel || Créditos: Miguel Lebre

Quando fundou o Baixaki, Gui Barthel passou dois anos sem ver a cor do dinheiro. Hoje, aos 36, depois de vender sua empresa por estimados US$ 100 milhões, pode se dar ao maior dos luxos: trabalhar por prazer

por Bruna Narcizo para PODER de outubro

Guilherme Barthel, fundador do Baixaki, site de downloads de programas e de aplicativos, sempre soube que queria ser empresário. Empreendedor serial desde criancinha, Gui, como é mais conhecido, tinha 7 anos quando se arriscou em seu primeiro negócio. “Meu padrasto vendia uns bonecos de massinha em uma feira de artesanato. Aprendi a fazer e cobrava para ensinar meus amigos da escola”, conta o curitibano que hoje tem 36 anos.

Em junho de 2014, Barthel se tornou protagonista de um dos maiores negócios da internet brasileira. Por conta de cláusulas contratuais, os valores da transação não puderam ser divulgados oficialmente, mas a estimativa é que a venda do Grupo NZN – do qual o Baixaki faz parte ao lado de outros 11 sites, criados ao longo dos anos – ultrapassou a casa dos US$ 100 milhões. Na época, todas as ações estavam nas mãos de Barthel, de sua mulher, Tânia, de seus dois irmãos e de Marcos Souza, o diretor financeiro. “A gente sempre teve um número na cabeça e nunca nenhuma proposta tinha atingido esse patamar”, justifica Barthel. Além de ter chegado ao valor ideal, o fundo norte-americano H.I.G. Capital apresentou um plano para expandir o NZN junto com a proposta de compra.

Foi um longo caminho até que Barthel conseguisse alcançar aquele ponto invejável do “já tenho todo dinheiro de que preciso e posso me dar ao luxo de só fazer o que gosto”. O primeiro aporte financeiro em sua empresa – R$ 600 de um anúncio do Mercado Livre –, veio apenas em 2002, dois anos depois da fundação do Baixaki. “Quando comecei a estudar ciências da computação, em 1997, todo mundo falava sobre internet e era uma corrida do ouro. Lancei o site em 2000 e a bolha estourou logo depois”, lembra. No início, ele matava aula na faculdade para se dedicar ao Baixaki. Como já havia ultrapassado o limite de faltas, só tinha duas alternativas: abandonar o site ou a faculdade. Decidiu parar de estudar.

Para Paulo Veras, cofundador e CEO da 99Taxis, esse início nebuloso é um dos principais méritos de Barthel e do Baixaki. “Até surgir os primeirossites de compras coletivas, em 2010, vivemos um momento cinzento na internet. Pouca gente empreendendo e pouco capital disponível”, explica. Veras comenta ainda que a longevidade – o Baixaki entrou no ar há 16 anos – não deixa de ser um atestado de competência.  Para ele, Barthel também fez bem em manter o escritório do grupo em Curitiba. Embora tenha sido necessário abrir um braço comercial em São Paulo, toda a parte de tecnologia e de conteúdo permaneceu na capital paranaense. “Como a competição é menor por lá, ele conseguiu montar uma boa equipe e ficou mais fácil reter talentos. Em São Paulo, você sofre muito com o assédio de outras empresas em cima dos engenheiros e outros funcionários”, pontua Veras. Barthel concorda com a avaliação e comenta: “Conheci empresas em São Paulo que comemoravam um ano com a mesma equipe. Para nós, isso era comum. Nossa rotatividade sempre foi baixa”, explica ele, que também atribui isso ao fato de sua empresa pagar salários compatíveis com os praticados no mercado nacional.

Toda essa estratégia deu mais do que certo. Prova disso é que o NZN sempre sofreu muito assédio. A primeira proposta, em 2006, veio de um grande grupo ligado a uma empresa de telefonia que ofereceu R$ 40 milhões. Daí até a venda, em junho de 2014, Barthel costumava receber pelo menos duas propostas por ano. Empresas de mídia do Brasil e dos Estados Unidos, caso da CBS e do Yahoo, e vários grupos de investimento e de capital de risco, bateram na porta do NZN. A certeza de que havia chegado a hora de passar a empresa para frente veio depois da constatação de que, para continuar crescendo, era necessário receber um alto aporte financeiro. “A gente estava deixando de ser a cabeça da sardinha para ser o rabo do tubarão e, para brigar com os grandes, era preciso muito investimento”, explica Barthel. Desde que a transação foi efetivada, há dois anos, o NZN já aumentou de tamanho e de relevância, principalmente com a fusão com o Click Jogos. “Tinha o sonho de deixar minha marca e a proposta do H.I.G. foi a que mais me deu segurança de que o NZN não acabaria tão cedo”, comenta.

SÍNDROME PÓS-VENDA

Mas, se de um lado a proposta financeira era irrecusável, de outro, não foi fácil passar por esse processo. Embora estivesse completamente certo da decisão que tomou, Barthel conta que sentiu a venda da empresa – e não só do ponto de vista emocional. Assim que o acordo foi firmado, ele começou a sofrer alguns episódios de taquicardia – que não lhe chamaram muito a atenção, aliás. Estava animado para tocar outros projetos, mas as coisas não saíram exatamente como havia planejado. “Deixei o cargo de CEO em julho de 2015. Em dezembro, tive um ataque de pânico em casa enquanto assistia a um seriado na TV”, conta. O diagnóstico? Transtorno de ansiedade generalizada, que os médicos conhecem por TAG, por conta da mudança repentina na rotina. Para resumir: depois de 15 anos se dedicando integralmente à empresa que criou, o cérebro e o corpo de Barthel não estavam conseguindo se adaptar à nova situação. “Fiz um tratamento de seis meses para conseguir superar. Quando você começa a compreender o que está acontecendo, o lado irracional deixa de atuar.” Quem já vendeu a empresa que fundou mais de uma vez, caso de Paulo Veras da 99Taxis, garante que a primeira venda costuma ser a mais “dolorosa”. “Você logo volta para o jogo, empreende de novo e fica muito mais fácil vender a segunda, a terceira e por aí vai”, garante Veras, que já vendeu quatro empresas – duas integralmente e nas outras duas, apenas a sua parte.

Atualmente, Barthel e seu sócio Marcos Souza se dedicam ao Avant Lab – incubadora de novos negócios. “Percebi que não queria ser um mero investidor, queria colocar a mão na massa de novo.” O primeiro negócio já está em fase de testes. Trata-se do aplicativo Opa!, em que a pessoa cadastra o número do cartão de crédito ou carrega com um valor pago via boleto bancário para usar esse dinheiro em transações financeiras com pessoas ou empresas que também sejam usuários do Opa!. Segundo Barthel, o foco é o prestador de serviços que não quer pagar as altas taxas das operadoras de cartão de crédito. Se o negócio já está mostrando a que veio? Ainda não, mas isso não é exatamente um problema para Barthel. “Agora que tenho mais dinheiro do que preciso para viver, trabalho pelo prazer de trabalhar”, finaliza.