15.02.2018  /  15:27

Glamurama entrega roteiro de 72 horas pela cena cultural e gastronômica de Chicago

Cloud Gate, escultura criada por Anish Kapoor || Créditos: iStock

Motivos para visitar Chicago vão muito além de ir a um jogo de basquete do Chicago Bulls ou a um dos famosos clubes de blues da cidade – apesar destas já serem razões suficientes para emitir passagens. A cidade mais populosa de Illinóis e berço de uma das maiores máfias da história surpreende por seu potencial artístico com museus que abrigam importantes acervos de obras de arte e também por seus ambientes públicos, que ganharam atenção nos últimos anos, sobretudo com a inauguração do Millennium Park, em 2004, que tem cerca de 100 mil metros quadrados.

Recentemente, o parque foi eleito o endereço mais importante dos Estados Unidos pela revista Forbes, sendo cercado por um dos quarteirões mais caros do país. No mesmo ano foi encomendada ao indiano Anish Kapoor, que ainda não era tão famoso, uma maxi escultura, que viria a ser a Cloud Gate, conhecida como The Bean (O Feijão, em português) e considerada o atual cartão postal da cidade. E foi assim que a identidade de Chicago foi moldada como sendo mais do que apenas uma metrópole americana – o que já significa muito.

Compará-la com Nova York é inevitável, mas em uma versão muito menos caótica. Em contrapartida, é uma cidade que recebe visitantes de forma mais local, o que é um ponto positivo. Outro salve da cidade natal de Kanye West e Oprah são as atrações que exploram vistas panorâmicas da cidade de formas inusitadas como o TILT e o Skydeck, além de sua extensa lista de restaurantes com estrelas Michelin e musicais. Abaixo, Glamurama traça um roteiro expresso de três dias na cidade.

DIA 1 
A primeira impressão de Chicago merece ser do Chicago River, o belo rio que corta a cidade. O visual do rio com arranha céus em seu entorno impressiona. Passeie a pé pela Magnificent Mile, que abriga as maiores marcas de luxo do mundo, assim como lojas de departamento e fofurices como a loja de doces Dylan’s Candy Bar.

Em sentido horário: a fachada do Art Institute of Chicago || Créditos: iStock

Siga para um almoço no Terzo Piano, restaurante italiano instalado no 3º piso do Art Institute of Chicago, seguido de um tour ao museu. Com atmosfera e frequência cool, a cozinha do restaurante prioriza ingredientes locais, frescos e orgânicos, sendo tudo do menu produzido em sua cozinha. O menu é orquestrado pelo Chef Tony Mantuano, nome por trás também do renomado restaurante italiano Spiaggia. +www.terzopianochicago.com

Por abrigar uma das melhores coleções de arte do mundo e a melhor coleção impressionista fora de Paris, o museu Chicago Art Institute é um must na cidade. Aprecie obras de Paul Gauguin, Van Gogh, Monet e Renoir e passeie por suas galerias dedicadas às artes da Grécia Antiga, do Japão, da África e das Américas. Vale consultar também as mostras temporárias como a dedicada às esculturas de Rodin, em cartaz até o dia 4 de março.
+www.artic.edu

Curta o cair da noite do First Lady, cruzeiro fluvial que passa pelos três braços do Chicago River. Com passeios guiados de 90 minutos de duração, o toru dá uma boa noção sobre a geografia da cidade, por isso recomenda-se que seja feito logo no início da viagem. Durante o percurso pelo River City, não deixe de observar a Marina City, o Willis Tower e o Aqua, prédios icônicos da cidade. Drinks e petiscos oferecidos no local deixam a experiência ainda mais gostosa. Ingressos à venda aqui por US$ 43 (R$ 142). Local de partida: Michigan Ave com Wacker Dr.

Para que a noite siga com a mesma magia, digamos assim, reserve um jantar no Mad Social, na Madison St.. O menu é uma fusão das cozinhas mexicanas e italianas e a atmosfera industrial com clima animadinho. +www.madsocialchicago.com

DIA 2
Comece o dia no Skydeck Chicago, uma das melhores vistas panorâmicas da cidade que fica no 103º andar da Willis Tower (antiga Sears Tower) – o segundo prédio mais alto do ocidente. Os melhores cliques são garantidos pelo chão de vidro observar a cidade. Um pouco assustador para quem tem medo de altura, mas a selfie vale a pena!

Reserve parte da manhã e início da tarde para ir ao Museu de Arte Contemporânea de Chicago (MCA), que ocupa construção criada pelo arquiteto alemão Josef Paul Kleihues. Aberto em 1967, o museu teve papel importante em impulsionar a arte emergente de artistas que depois se tornaram relevantes, sempre promovendo performances de vanguarda e experimentais. Sua coleção permanente reúne mais de 2,5 mil obras que datam de 1920 até o presente. Reserve tempo para comprinhas na MCA Store, considerada uma das melhores lojas de museu do mundo.

A fachada do Museu de Arte Contemporânea de Chicago (MCA) e brunch do Marisol || Créditos: Glamurama

Para um super brunch, será preciso andar apenas uns passos até o recém-inaugurado Marisol, restaurante do museu que homenageia a artista que lhe deu nome, Marisol Escobar, cuja doação feita ao museu em 1968 fortaleceu sua coleção permanente. Delícias mil, pode se preparar.

Aproveite a tarde para passear pela cidade – a melhor forma de conhecer sua essência – e, se conseguir ingressos, vá até o musical Hamilton, recordista de Tony Awards que possui uma montagem excelente na cidade. Quem já viu a de lá e a de Nova York conta que nada deixa a desejar.

Musical “Hamilton”, em cartaz em Chicago || Créditos: Glamurama

À noite, nossa dica é um jantar no Columbus Tap, gastropub com atmosfera moderna e cool com referências do séculos XIX que fica no térreo do hotel Fairmont, seguido de drinks na casa de blues House of Blues.

DIA 3

Saia da cama e siga até Oak Park, nos arredores de Chicago, onde fica a Frank Lloyd Wright Home and Studio, a primeira casa e estúdio do arquiteto americano, hoje aberta como museu. Programa imperdível para uma imersão na história do início da carreira de Wright, um dos maiores arquitetos de todos os tempos. Agende uma visita guiada!

A fachada do Frank Lloyd Wright Home and Studio e a atmosfera do Cherry Circle Room || Créditos: Reprodução Site

Na volta passeie pelas lojas adjacentes a Michigan Ave e almoce no Cherry Circle Room restaurante com menu refinado porém rústico que traz para o presente o espírito dos clubes de acesso restrito do passado. De lá engate uma visita ao Chicago Cultural Center, que além de sua arquitetura admirável, costuma ser palco de ótimos eventos como a bienal de arquitetura de Chicago e mostras bem curadas. Entre os dias 3 de março a 23 de setembro mais de 30 painéis de Keith Haring serão exibidas na mostra “Keith Haring: A Chicago Mural”.

Comece a noite no skyline TILT, uma verdadeira revolução mundial na forma de ver uma cidade de cima, já que oito visitantes por vez ficam frente a frente à cidade em uma altura de mil pés do 94º andar do prédio empresarial John Hancock. Emoção é aqui mesmo! Depois encerre a noite com uma boa cerveja artesanal no Band of Bohemia, o primeiro pub no mundo a receber uma estrela Michelin.

TILT!, ponto turístico que garante a vista mais incrível da cidade, além de pura emoção || Créditos: Glamurama

Dicas úteis 

Onde ficar: o Fairmont Chicago é perfeito para quem prioriza boa localização. Os quartos são amplos e os amenities deliciosos da marca Le Labo. Peça suíte com vista! +www.fairmont.com

Para quem vai visitar a cidade pela primeira vez recomendamos a compra antecipada de um City Pass. Pelo valor de US$ 99,95 adulto e US$ 84,95 crianças de 3 a 11 anos, o voucher reúne entradas para as principais atrações turísticas, evitando filas para compra de ingresso no local e economia de mais de 50% do valor de cada atração. São elas o Shedd Aquarium, o Skydeck Chicago Fast Pass, o The Field Museum, o Museum of Science & Industry ou 360 Chicago e Adler Planetarium ou Art Institute of Chicago. +www.cityofchicago.org

A United Airlines é a única companhia aérea que faz voos diretos de Guarulhos a Chicago.+www.united.com

Tente encaixar em um dos dias uma partida de jogo de basquete. As temporadas vão de outubro a junho e se jogue sem culpa em um dos fast foods da cidade, famosa por suas pizzas bem recheadas e hot dogs. (Por Julia Moura)