17.05.2019  /  9:00

Mônica Martelli faz 51 anos e a gente comemora com entrevista: “Faço terapia há 25 anos! Me consulto até pelo telefone”

Mônica Martelli para revista J.P // Crédito: Fábio Bartelt

Mônica Martelli completa 51 anos nesta sexta e a gente comemora, claro. Além dela ser capa e recheio da revista J.P de maio, bate ponto no Glamurama há tempos. Para celebrar, vale ler de novo a última entrevista que ela deu para o site, em agosto de 2018. Parabéns Mônica!

Mônica Martelli é o tipo de amiga que todo mundo gostaria de ter. Bem humorada e analisada – faz terapia semanalmente há 25 anos -, ela canalizou todas suas experiências amorosas em duas peças incríveis: o fenômeno “Os Homens são de Marte e é Pra Lá que eu Vou” e, doze anos depois,  “Minha Vida em Marte”. A ótima notícia é que Mônica aterrissou na capital paulista: sua nova peça estreia nesta sexta-feira em São Paulo após temporada de nove meses de casa cheia no Rio.

Ok, muito já foi dito sobre relacionamentos, mas nada se compara ao olhar perspicaz e divertido da atriz e roteirista sobre situações de crise. E rolou o maior tricô com Glamurama. No papo, situações do universo feminino que costumam ser um drama na vida real.

Mônica Martelli no palco com a peça “Minha Vida em Marte” || Créditos: Divulgação

Glamurama: “Minha Vida em Marte” foi sucesso absoluto em sua temporada no Rio. O que espera de São Paulo? 
Mônica Martelli: “Fiquei em cartaz por nove meses no Rio, e em um momento difícil, com essa violência que tomou conta da cidade… Mesmo assim a temporada foi maravilhosa. Em seguida fui com a peça para Brasília, Goiás, Belo Horizonte, Vitória, Porto Alegre e Curitiba e agora São Paulo! Estava louca pra estrear aqui, me mudei há duas semanas pra cá.”

Glamurama: Por que decidiu se mudar para São Paulo?
Mônica Martelli: “Mudei porque a logística da minha vida estava muito complicada. Não conseguia mais encaixar tantos voos em uma única semana, ficou impossível. Faço ponte-aérea há seis anos, desde o começo de ‘Saia Justa’, e já cheguei a fazer quatro viagens em uma única semana – tudo para ficar o máximo de tempo com minha filha (Julia, de 9 anos). Agora  ela mora aqui também, então temos mais tempo para ficar juntas. Sem falar que gosto da cidade, sempre fui muito bem recebida e tenho amigos queridos aqui. Enquanto no Rio você se apaixona pela beleza natural, em São Paulo você se apaixona pelas oportunidades que a cidade te dá, e isso não tem preço. O profissionalismo daqui é bem maior.”

Glamurama: Você sente diferença entre a plateia do Rio e a de São Paulo?
Mônica Martelli: “As duas são ótimas, mas São Paulo é mais animada – as pessoas riem muito! Apesar do teatro ser elitizado e atingir classes A e B, a cidade tem um publico muito grande, e você sente uma interação maior. O Rio tem muito artista, então é uma plateia mais metida! (Risos) O carioca é mais blasé por natureza. Mas sou carioca, me fiz no Rio, estreei minha primeira peça lá e não desprezo a cidade de jeito nenhum.”

Glamurama: A peça foi feita 12 anos de depois de “Os Homens são de Marte e é Pra lá Que eu Vou”. Por que levou todo esse tempo para criá-la?
Mônica Martelli: “Porque me separei tem cinco anos e precisei de um tempo para ter distanciamento do que vivi pra escrever com humor, senão vira um drama total. Enquanto estava na crise não queria falar do assunto, estava muito inserida em todos os problemas que vêm com o fim de um casamento. Só depois de um tempo, de passar a fase do luto, do rancor, da dor, pude escrever sobre o que queria, do jeito que queria.”

Mônica Martelli no longa “Os Homens São de Marte e é Pra Lá que Eu Vou” || Créditos: Divulgação

Glamurama: A peça procura respostas para a sobrevivência conjugal. Você viveu todo esse processo? Teria escrito a peça se não tivesse passado por isso?
Mônica Martelli: “A Fernanda está casada há oito anos, vivendo toda aquela crise de um casamento que a rotina traz: intolerâncias, diminuição da libido… e ela corre atrás para resgatar as coisas boas do casamento. A Fernanda tem uma característica que é minha, de correr atrás, lutar… Mas ela não atura tudo em prol de uma família feliz. Quando o dia a dia fica ruim, não tem mais tesão, aí não tem porque estar junto. A partir daí, ela rompe e vai atrás  da felicidade.”

Glamurama: Você, Mônica, tem essa característica da Fernanda?
Mônica Martelli: “Completamente. Sou muito questionadora, fico me perguntando se é isso ou não…”

Glamurama: Existe separação sem dor?
Mônica Martelli: “Não. Mesmo se a relação estiver completamente desgastada, a separação é sofrida porque são muitas perdas e laços a serem desfeitos – o da família, dos amigos -, então não tem como não gerar dor. Tem uma autora que fez uma pesquisa que diz que o divorcio é a segunda maior dor que o ser humano passa na vida – a primeira é a perda de um filho. Casamento envolve sonho, projeto, idealização de uma família… É mais do que decepção, é um futuro que você imaginou e foi embora pela porta. Quando aquele corpo sai você até agradece, é o fim do ronco, das encheções, mas a dor não vem daí, vem de um futuro que você idealizou e que acabou.”

No palco com a peça “Os Homens São de Marte e é Pra Lá que Eu Vou” || Créditos: Divulgação

Glamurama: Casais em crise devem ir ou evitar a peça?
Mônica Martelli: “Devem ir à peça! Casais em crise ou que não estão em crise. Ela não fala mal de casamento e não fala mal de marido. Não existe vilão. Somos todos vítimas e responsáveis por aquilo que a gente faz. No final do espetáculo a personagem fala: ‘eu tentei, nós tentamos’. Está todo mundo no mesmo barco, não existe vilão.”

Glamurama: Você ainda tem seus momentos de dor ou, de tão analisada, já tira de letra?
Mônica Martelli: “Não tiro nada de letra! Sei tudo na teoria. Se tenho um date fico um dia inteiro pensando o que vou usar. Fico insegura, fico infantil… Faço terapia há 25 anos, mas quando é comigo, pronto, não sei nada. Me consulto até pelo telefone quando não dá para ir pessoalmente.”

Glamurama: Como expert em comportamento feminino moderno, qual função você exerce entre suas amigas?
Mônica Martelli: “A gente conversa muito sobre relacionamentos, e eu amo. Sempre que conheço alguém já vou logo falando desse assunto, perguntando se namora, se é casado, adoro…”

Glamurama: Por que você acha que os casamentos duram tão pouco hoje em dia?
Mônica Martelli: “Porque as mulheres são independentes, enquanto antigamente o casamento era baseado na dependência financeira da mulher, que tinha dificuldade para se separar porque dependia do marido para viver, o que era uma lástima mas até entendo. Hoje, o que sustenta um casamento é o afeto. A única forma de se ter liberdade nessa vida é ter dinheiro, liberdade financeira. Quem tem dinheiro dá a última palavra.”

Glamurama: Ser alta, bonita, poderosa e inteligente assusta os homens?
Mônica Martelli: “Estou solteira, então estou achando que assusta! (Risos) Estou solteira a seis meses, não só porque assusto, mas porque obviamente estou mais exigente. Não é qualquer homem que me encanta. Quanto mais poderosa a gente fica mais na merda a gente fica também! (Risos) Mas estou muito feliz assim, me sentindo plena. Um homem na minha vida tem que ser realmente para somar, para ser parceiro… Não quero mais administrar baixa auto-estima e insegurança. Nessa altura do campeonato quero me apaixonar de novo! Amo me apaixonar e agora não estou apaixonada por ninguém.”

Glamurama: Algum “date” à vista? Como você é nos primeiros encontros? 
Mônica Martelli: “Sim, tenho um date à vista. Apesar de focar meu trabalho em relacionamentos amorosos, que é o assunto que mais me interessa pelo mistério que há nas relações, tento ser o mais natural e verdadeira possível em um primeiro encontro. Mesmo assim é difícil, dá uma insegurança… As relações são cercadas de muitos mistérios.”

Glamurama: Quais são as características fundamentais para você em um homem?
Mônica Martelli: “Humor, quem tem humor tem inteligência. Não alguém que faça piada, mas que tenha um olhar mais leve sobre a vida, com mais graça, porque não existe cotidiano pesado, mas sim o jeito que olhamos para ele. O que você faz com a vida que você vê. E também que seja carinhoso e minimamente romântico – porque eu sou romântica, acho gostoso para alimentar a relação.”

Glamurama: Gostaria de se casar de novo? Quais seriam suas condições para isso?
Mônica Martelli: “Não, não penso em me casar de novo, estou amando namorar. Depois que me separei namorei duas pessoas e, por enquanto, não tive vontade de me casar de novo. Pode até ser que um dia eu conheça alguém com quem eu queira morar junto e me casar, mas no momento não tive a menor vontade”

Glamurama: O que acha da reclamação das mulheres de que está difícil arranjar namorado hoje em dia?
Mônica Martelli: “Não acho que é difícil arrumar namorado. Difíceis são os encontros, sempre foram. Você não se apaixona a cada esquina. Encontrar a pessoa certa, que te desperta alguma coisa, é que é difícil, ainda mais no tempo certo. Então, se você está a fim de um cara que é superinteressante e também está a fim de você, mas é recém-separado, vindo de uma separação traumática… Será que ele vai ser bom pra você, ou vai te fazer mal por estar com raiva, te largar e depois de um ano casar com uma outra pessoa e ser um ótimo marido? O problema não é que não tem homem, é que os encontros são difíceis e com o tempo ficamos mais exigentes.”

Glamurama: Sua dica para um casal em crise…
Mônica Martelli: “Entender que momento é esse que estão passando. Todos os casais passam por crises. É preciso tentar trazer aquele olhar do início da relação, com mais ternura e menos crítica. O que destrói relações são as criticas. Temos que ter um olhar mais amoroso pro outro.”

Glamurama: Como saber, durante uma crise, se o casamento acabou de fato ou ainda há esperanças?
Mônica Martelli:
“A gente sente. Casamento é feito de ciclos, uma gangorra, uma hora você está segura, outra hora com medo de que seu marido se apaixone por uma mulher na esquina. Uma coisa que senti é: quando você não confia mais na opinião do outro, quando não sente aquele olhar de amor, pode separar no dia seguinte. Outro indicador é quando nem coisas que sempre ajudam um casal, como viajar e fugir da rotina, resolvem. Nada mais compartilhado com aquela pessoa é bom.”

Glamurama: Qual o assunto retratado na peça você considera o mais pertinente hoje em dia?
Mônica Martelli: “A crise que nós passamos no casamento, a vontade de que o casamento dê certo e a coragem de romper relações falidas, especialmente entre as mulheres mais velhas. Quando chegamos aos 45 anos temos medo de ficar solteira de novo. Mas isso está mudando.”

Glamurama: Você sentiu isso na pele?
Mônica Martelli: “Senti todos os medos que todo mundo sente. Não me senti desvalorizada porque depois que me separei comecei um momento profissional muito bom. Minha profissão, assim como minha família, são pilares fortes na minha vida.”

Glamurama: Sua vida parece ser muito corrida. Como é sua rotina? 
Mônica Martelli: “Acordo às 6h45 para tomar café com a minha filha. Depois que ela sai para a escola, tento dormir por mais 1h30. Aí, quando dá, vou malhar. Mas não tenho uma rotina fixa porque cada dia é uma coisa. Nos fins de semana, por exemplo, tento acordar o mais tarde possível para a voz ficar boa. O teatro exige muita disciplina, então você tem que tomar certos cuidados. Não dá para sair sábado para almoçar e beber, tem que cuidar da voz. Estou em cartaz há 13 anos, é uma vida de muita disciplina. Para escrever a peça, fiquei um ano e meio indo diariamente a um pequeno apartamento no Baixo Gávea para me encontrar com minha irmã para escrevermos juntas.”

Glamurama: Quais são seus cuidados para manter a boa forma?
Mônica Martelli: “Sou muito acelerada, ando o dia inteiro para cima e para baixo. Não tenho tendência a engordar e não como muita besteira, mas adoro arroz e feijão. Arroz branco, tá? Não é integral, não. Mas não sou compulsiva com nada. Se ganho uma caixa de chocolate, como só um e estou satisfeita. Ginástica costumo fazer duas vezes na semana. Faço musculação e acabei de descobrir o ballet fitness, e estou apaixonada.”

Glamurama: Conte-nos sobre “Minha Vida em Marte – O Filme”, em que contracena com os atores Paulo Gustavo e Marcos Palmeira.
Mônica Martelli:
“O filme estreia dia 27 de dezembro com direção da minha irmã, Susana Garcia, e roteiro meu, dela e de Paulo Gustavo. A história é hilária. Gravamos em Angra e foi divertidíssimo porque Paulo [Gustavo] tem horror a qualquer bicho e inseto, tem pânico real de tubarão, então gravar dentro da água foi muito engraçado. Teve um clima de humor muito leve, muito bom, que vai ser passado para as telas.”

Glamurama: Você e o Paulo são muito amigos. Como é essa relação?
Mônica Martelli: “A gente é irmão. Quando o Thales [Bretas, marido de Paulo] viaja, ele vai lá para casa, dormimos na mesma cama. Somos muito grudados. Ligo pra ele de madrugada e não temos essa coisa de: ‘oi, tudo bem?’, vamos direto ao ponto, bem irmão mesmo. Ele bota defeito em todos os caras que eu gosto…”

Glamurama: Como vocês se conheceram? 
Mônica Martelli: “Em 2005, seis meses depois que estreei “Os Homens São de Marte e é Pra Lá que Eu Vou”, estava sentada em um bar quando ele se aproximou, se apresentou e disse que tinha visto a peça três vezes, que tinha adorado e me contou que estava com um monólogo pronto, tomando coragem para estreá-lo também. Dei a maior força e um ano depois daquele encontro Paulo entrou em cartaz com “Minha Mãe é uma Peça”, trabalho que, assim como o meu, mudou a carreira dele. Aliás nossa carreira é bem parecida, somos autorais, vivemos de forma independente com nossos projetos.”

Glamurama: Pensa em fazer novela?
Mônica Martelli: “Há seis meses me chamaram para fazer novela, mas minha estrada principal são meus projetos. Se um dia pintar um convite que não atrapalhe o desenvolvimento dos meus projetos, vou fazer. O que me dá mais tesão é falar aquilo que eu quero.”

Glamurama: Qual era a novela?
Mônica Martelli: “O Tempo Não Para”, da Globo. Mas nem me inteirei muito sobre o papel, porque quando o convite chegou já recusei por conta de agenda.”

Glamurama: Tem algum outro projeto em vista?
Mônica Martelli: “Em breve estreio um canal no Youtube. Tenho tanta coisa pra falar que não cabe em uma peça.”

Glamurama: E como vai seu contrato com o “Saia Justa”? Já se passaram cinco anos. Muitas saíram, outras entraram, e você continua firme.
Mônica Martelli: “Amo fazer o ‘Saia Justa’ com essa nova formação. O programa é fundamental na minha vida, de extrema importância, porque toda semana estamos lá debatendo e falando de assuntos importantes.” (Por Julia Moura)