01.10.2020  /  13:18

Geração Z: Em tempos de eleições, Sartre diria que a liberdade nos condena a sermos responsáveis por nossas escolhas

Jean-Paul Sartre // Reprodução

por Audino Vilão*

Em 2020, o maior conflito interno de jovens, adultos e maduros tem a ver com a liberdade? Essa ideia tão louca e sem forma que temos na nossa mente de poder fazer o que quisermos é realmente uma coisa que nos tira da zona de conforto. Mas afinal de contas, o que é LIBERDADE? Um filósofo francês que viveu os tempos modernos nos ajuda a entender. Jean-Paul Sartre (1905 – 1980) nos traz diversas lições acerca do que é a liberdade e de fato, são sentenças pesadas que nos fazem colocar a mão na cabeça e refletir muito sobre quem somos.

Gostaria de iniciar esse artigo com uma famosa frase de Sartre – “A existência precede a essência” -, traduzindo para uma forma mais suave, o ser humano existe antes dele se tornar algo. A existência da vida ocorre primeiro que a essência, pois para Sartre, o homem é um projeto, pode se tornar o que quiser, não nasce com uma “essência” definida, ele mesmo constrói sua essência.

Para Sartre, o ser humano nasce de frente para o nada. Talvez sua frase mais famosa seja “O ser humano é condenado a ser livre”, pois, se não temos nada pré-definido nas nossas vidas, logo nascemos com a liberdade de nos tornamos o que quisermos.

É exatamente aí que as coisas ficam mais complicadas. A liberdade não te liberta das consequências das suas ações! A liberdade te força a ter escolha, até mesmo o ato de não escolher é uma escolha, e toda escolha acarreta consequências. Somos condenados pela liberdade a termos responsabilidade pelas nossas escolhas. Encarar as consequências é uma prisão da qual o homem jamais vai conseguir se libertar. “Eu posso fazer tudo, mas não posso, muito menos devo, logo sou condenado à liberdade”. De fato é um paradoxo, e muitas vezes você deve ter se deparado com um pensamento parecido: podemos tudo, mas não é tudo que podemos fazer por que isso acarreta consequências, e isso exige uma responsabilidade enorme da nossa parte.

É por isso que nos sentimos mais confortáveis em colocar a escolha na mão dos outros. Assim, o peso da sentença cairia nas costas do próximo, contudo, AINDA FOI ESCOLHA SUA DEIXAR NAS MÃOS DO PRÓXIMO. A liberdade é absoluta nesse sentido. Você escolheu e teve sua consequência, e é por isso que Sartre vai dizer que o homem livre é aquele em que a liberdade está na consciência.

O verdadeiro homem livre é aquele que encara de perto e com coragem as sentenças e consequências de suas ações. Lembra que eu disse que o homem é um projeto? Uma construção? É daí que parte o ser humano livre, que se constrói com responsabilidade, que assume as consequências de seus atos, que se torna o que ele quer, independente do julgamento alheio e segue até construir com suas ações, a essência.

O que podemos tirar disso? A liberdade é uma prisão, pois você está preso a escolher e encarar as consequências de suas escolhas, sejam elas boas ou ruins, éticas ou antiéticas, benéficas ou maléficas. Você encarará as consequências… então use sua liberdade para construir sua essência de forma responsável, porque você não pode escapar dela. Play no vídeo abaixo para uma analogia sobre ‘liberdade’ em tempos de eleição e na hora de dar seu voto a alguém. (*Audino Vilão, filósofo, cursa História na universidade e é youtuber – no insta @audinovilao e no Youtube)