05.10.2020  /  15:52

Geração Z: Descobri que sou adepta do ‘slow beauty’. Você sabe do que se trata?

Essa semana participei de um talk para falar sobre ‘slow beauty’, uma tendência mundial. Você sabe o que é isso? Eu não sabia, mas descobri que já praticava há algum tempo. Talvez você, assim como eu, seja adepto e nem saiba.

O ‘slow beauty’ é um movimento nascido nos Estados Unidos, uma versão do universo da beleza do slow food e slow fashion, e que prega o cuidado consciente, a beleza natural. E segue três pilares: sustentabilidade, saúde e consumo consciente. Então precisamos prestar atenção nos produtos que usamos: Qual o impacto no meio ambiente? Qual o impacto na nossa saúde? O que você coloca na sua pele, o que você está passando no seu cabelo, qual a consequência disso na sua saúde daqui alguns anos? No que diz respeito ao consumo, podemos refletir no que é essencial e fazer escolhas coerentes.

Para quem quer começar aderir a esse movimento e a mudar seus hábitos, vá’ slow’, como sugere o nome da tendência. Primeiro comece olhando na sua nécessaire. Substitua produtos vencidos ou que estão acabando por outros com fórmulas orgânicas e naturais, e não testados em animais. É uma mudança simples, mas que tem benefícios a longo prazo.

Dê preferência a embalagens sustentáveis, que possam ser recicladas, reutilizadas ou reaproveitadas. A ideia é que, a partir delas, o lixo produzido pelo ser humano cause menos impactos à natureza. Consuma menos e com mais qualidade. Ninguém precisa de três tipos de shampoo mais quatro tipos de condicionador no box do banheiro.

O mercado de cosméticos naturais vem crescendo com muita rapidez. Sendo assim, é cada dia mais fácil encontrar marcas que seguem o conceito ‘slow beauty’. Entre as mais famosas estão: Lush, Simple Organic, Face it Beauty, Hourglass, Biossance, Care Natural Beauty, Caudalie e Aveda.

Vamos começar a ir mais devagar…