20.04.2021  /  18:38

Geração Z: Audino Vilão traz à tona polêmica em torno dos stickers do Ramadã disponibilizados no Instagram

Se você curte o Instagram e o usa com frequência deve ter reparado em três novos stickers disponíveis por lá. Trata-se de uma homenagem ao mês sagrado dos mulçumanos, o Ramadã. Como se trata de um tema cultural e religioso pouco entendido e divulgado por aqui, a figurinha vem causando polêmica pelo “mau uso” e gerando cancelamento em massa na internet. Então iremos falar um pouco sobre o assunto e explicar do que se trata e pensar os limites da inocência e ignorância em relação à fé!

Primeiro vamos entender as origens da figurinha: Ramadã acontece no nono mês do calendário lunar mulçumano (se iniciou 13 de abril e se encerra 12 de maio). Nesse período é feito um jejum por parte dos fieis envolvendo abstinência bebidas alcoólicas, comida (são feitas apenas 2 refeições no dia, o su-hoor e iftar), relações sexuais e atos moralmente errados segundo a tradição mulçumana, desde pensamentos impuros até atos como mentir. O jejum tem a finalidade fazer com que o praticante se conecte intensamente com o lado espiritual, aumentando o número de idas às mesquitas e preces à Allah, meditando nas passagens do alcorão. É tempo para renovar a fé e se conectar de coração e alma com o sagrado.

E homenagear a fé de uma das maiores religiões do mundo é algo muito bonito e necessário, mas o problema não está na rede social em si, mas os seus usuários. Ao usar a figurinha do Ramadã o engajamento dos stories aumenta consideravelmente, o que foi uma estratégia pensada pela plataforma para dar voz aos que estão praticando e participando explicarem para o resto do mundo do que se trata. Só que, como era de se esperar, apareceram pessoas mal intencionadas que passaram a usar os stickers apenas para alavancar suas publicações de marketing e “publis”, e outras simplesmente leigas, que estão utilizando a figurinha apenas por estar ali, disponível.

Pense comigo: Se fosse no ocidente e durante a quaresma o Instagram lançasse uma figurinha remetendo à Páscoa… as marcas e influencers daqui usariam a figurinha ou pensariam 3 vezes antes de fazê-lo por considerar moralmente errado? Fato é que não se classifica como uma intolerância religiosa, mas sim como falta de respeito com o símbolo de fé para muitas pessoas você usá-lo para fins comerciais. E se um oriental que por alguma circunstância nunca teve contato direto com o cristianismo ou calendário gregoriano utilizasse na inocência a figurinha, seria cancelado também, por sua ingenuidade?

Fato é que ninguém está 100% livre da ignorância sobre todos os assuntos, mas também a falta de respeito é algo a ser pensado na nossa pele, por que na do próximo dói! Play no vídeo para saber mais!