04.06.2015  /  8:00

George Clooney fala sobre novo filme, que estreia nesta quinta

TOMORROWLAND
George Clooney em “Tomorrowland – Um lugar onde nada é impossível” || Créditos: Divulgação

Chega aos cinemas nesta quinta-feira o novo longa da Disney, “Tomorrowland – Um lugar onde nada é impossível”. Nele, George Clooney interpreta Frank Walker, “um rabugento desencantado que foi sonhador quando menino, um pequeno cientista muito inteligente”, como o próprio Clooney o descreve.

O longe foi produzido por Damon Lindelof, Brad Bird e Jeffrey Chernov e dirigido por Brad Bird e traz no elenco, além de Clooney, Hugh Laurie e Tim McGraw.

O que torna a história de “Tomorrowland” especial?

George Clooney: Os filmes que vimos sobre o futuro nos últimos anos sempre têm um tom sombrio. Faz muito tempo desde que não olhamos o futuro com uma ideia de que há esperança e uma perspectiva positiva. Eu gostei disso na história. Brad Bird e Damon Lindelof são ótimos contadores de histórias. Eu respondi à ideia de fazer um filme que não fala sobre morte, destruição e o fim do mundo, mas sobre esperança e inspiração. Achei que seria um filme divertido de se fazer, e foi mesmo muito divertido.

Fale sobre o jovem Frank.

George Clooney:  O jovem Frank é um inventor de 11 anos de idade que criou uma mochila a jato. Ele leva sua invenção para a Feira Mundial de 1964 para participar de um concurso. Lá ele é convidado por uma menina a visitar um novo mundo, porque ela acredita que ele possa ser uma das pessoas inteligentes e interessantes que poderiam contribuir significativamente para esse mundo. O jovem Frank acredita em tudo que vê, e ele acredita que possa ser uma dessas pessoas que eles estão procurando.

Conte sobre a dinâmica entre Athena, Frank e Casey, o trio principal do filme.

George Clooney: É uma pequena dinâmica familiar, mas o problema é que a mais jovem é a mãe. Casey e Frank são como duas crianças brigando. É uma família ao contrário; Frank é um meninão que nunca cresceu e parou de evoluir aos 11 anos, e ele briga o tempo todo com Casey e Athena. É tudo contrário porque a responsável é a criança mais nova.

O que deveria ser Tomorrowland?

George Clooney: Deveria ser um mundo utópico; um lugar onde as ideias de ciência, exploração, medicina e de tudo que nós desenvolvemos nos últimos três ou quatro séculos, especialmente no último século, podem evoluir e crescer sem que políticas as detenham. É um mundo habitado por pessoas inteligentes e engajadas que trabalham pelo mesmo objetivo, que é tornar o mundo melhor com a esperança de que isso possa se espalhar. O problema, é claro, é que se algo tóxico entra, você começa a ver coisas se deteriorando. O tema do filme é que o futuro não necessariamente tem que ser predestinado ou predeterminado; pode-se melhorá-lo, mas também destruí-lo com pensamentos e elementos negativos da vida.

O que o público deve esperar desse filme?

George Clooney: O diretor Brad Bird fez um filme maravilhosamente divertido em que todos ao sair do cinema sentirão que passaram duas horas muito boas. É bom poder falar sobre coisas maiores do que só entretenimento, também, mas não é isso que importa; o que importa nos filmes é garantir que a história seja divertida. Filmes são feitos há 100 anos e foram mais populares durante depressões e coisas assim; as pessoas querem sair e se divertir, e é isso que eu espero que este filme faça.