19.01.2021  /  16:18

Fundação Cacique Cobra Coral aciona parceiros na China para pedir agilidade no envio de insumos para vacina: “Relevem o que falaram em nome do nosso país”

Nem só de interferências climáticas vive a Fundação Cacique Cobra Coral. Conhecida por ‘controlar’ o tempo por encomenda ao redor do mundo, a entidade, que trabalha para governos e grandes empresas decidiu usar suas boas relações com a China para fazer um pedido em nome de todos os brasileiros. A fundação é parceira do país de longa data, em diferentes situações como nos Jogos Olímpicos de 2008; em 2011, quando foi convocada para ajudar a reduzir a poluição das grandes cidades; e mais recentemente em 2020, chamada para antecipar o verão para abril na tentativa de diminuir o contágio da Covid-19.

Diante da atual crise sanitária que assola o Brasil, a FCCC decidiu fazer um apelo aos empresários e governo chineses: “Nós, da Fundação Cacique Cobra Coral pedimos que relevem o que falaram em nome do nosso país sobre a China. Eles não sabem o que falam. Acelerem o envio de insumos de São Paulo (Butantan) e do Rio (Fiocruz) pelo nosso povo. Lhes devolveremos em dobro na melhora do clima”.

O pedido se refere à crise diplomática causada pelo governo Bolsonaro com a China nos últimos anos, o que estaria atrasando todo o processo de produção da vacina contra Covid-19 por aqui. “Empresários de lá, que representam o governo, responderam ao nosso apelo dizendo que iriam interceder para que os insumos fossem liberados o quanto antes”, disse ao Glamurama Osmar Santos, que administra a fundação junto com a médium Adelaide Scritori. Segundo ele, a FCCC, que trabalha com o governador João Dória há tempos, foi chamada para fazer com que o Estado tivesse um inverno mais quente em 2020 para, assim como foi feito com países da Europa e China, evitar que as pessoas se aglomerassem em locais fechados disseminando o coronavírus. “No fim do ano e agora no início de 2021, a ordem é trazer bastante chuva para a região sudeste, para evitar praias cheias e abastecer os reservatórios do Estado que estão com índices bem baixos”, encerra Osmar.