16.09.2016  /  14:13

Fause Haten busca no próprio passado a inspiração para figurino de peça

a
Fause Haten é filho de mãe e pai libaneses || Crédito: André Ligeiro

Filho de libaneses, Fause Haten vai emprestar sua memória afetiva de infância para compor o figurino da peça “Cartas Libanesas”, que estreia nesta sexta-feira no Sesc Copacabana, no Rio. Indicada aos prêmios Shell, APCA e Aplauso Brasil de Melhor Autor de 2015, o espetáculo conta a história de um jovem libanês que vem para o Brasil fugindo da Primeira Guerra e que tenta ganhar a vida como mascate.

“Meu pai é libanês e quando veio ao Brasil foi mascate: comprava bijuterias e vendia no interior e depois seguiu a trajetória de comerciante na 25 de Março. O universo da peça é bem conhecido para mim, não de ter acompanhado, mas pelo DNA. Foi muito bom fazer esse figurino, que carrega a memória desses homens. Eles ganham certa formalidade com o terno bem cortado, mas com roupas de tecidos naturais e leves, por isso optei pelo linho”, disse Fause ao Glamurama.

A peça, com texto de José Eduardo Vendramini, direção de Marcelo Lazzaratto e atuação de Eduardo Mossri, fica em cartaz até o dia 25 de setembro. “Cartas Libanesas” nasceu de uma descoberta do ator Eduardo Mossri, de 2009. São cartas que sua avó recebia do seu avô, um imigrante libanês que tentava ganhar a vida no Brasil no início do século 20. Eduardo levou as cartas para José Eduardo Vendramini, também descendente de libaneses, que reuniu o material com outros relatos verídicos de imigrantes libaneses no Brasil.

a
Eduardo Mossri interpreta um mascate libanês no Brasil || Crédito: Divulgação

“Cartas Libanesas”
Onde: Sala Multiuso do Secs Copacabana – Rua Domingos Ferreira, 160, Copacabana
Quando: 16 a 25 de setembro – 6ª às 19h, sábado, às 19h e 21h
domingo às 18h (no dia 25 haverá sessões às 18h e 20h)