26.03.2020  /  13:24

Fabio Porchat, em compasso de espera, fala sobre segunda temporada de “Homens”: “Será um choque geracional de machismo”

Fábio Porchat e elenco de Homens || Créditos: Divulgação

“Eu nunca na minha vida fico sem fazer nada”, Fabio Porchat é um daqueles hiperativos que estão sofrendo para ficar em casa e sem fazer nada… Nada mais ou menos porque o apresentador tem aproveitado a quarentena para promover lives no Instagram com famosos, escrever e curtir a esposa, Nataly Mega. Porchat está tranquilo com seus programas “Papo de Segunda” e “Que história é essa, Porchat”, ambos no GNT, por ter episódios já gravados até abril. Agora, ele aguarda a estreia da segunda temporada da série “Homens”, que chega ao Comedy Central a partir de 14 de abril, sempre às terças-feiras, às 22h.

Os novos episódios prometem discussões em torno de traição, preconceito, machismo e aborto. No elenco, Alexandre (Fabio Porchat), de seu próprio pênis (Rafael Portugal) e de seus amigos Gustavo (Gabriel Godoy), Pedrinho (Raphael Logam) e Pedro (Gabriel Louchard); além da chegada de novos personagens interpretados por Yuri Marçal e Lua Branco, além do retorno de Lorena Comparato, Miá Mello e Giselle Batista. Vem conferir o papo do Glamurama com Porchat.

Glamurama: Qual a principal diferença entre as duas temporadas de “Homens”?

Fábio Porchat: Na primeira, os personagens da série entenderam e se perceberam machistas e agora vão ter que lidar com essa informação. Isso porque são dois processos: aceitação e aí sim a tentativa de mudança, e é isso o que está rolando na segunda temporada.

Glamurama: Qual das discussões sobe machismo você destaca nessa temporada? Por quê?

Fábio Porchat: Vamos ter um conflito de gerações bom porque o pai do Alexandre (personagem de Fabio) vai morar com ele e também um jovem que vai alugar um quarto na sua casa, então as pessoas vão ter a opinião de um cara de 20 anos, outro de uns 30 e pouco e um de 70. Será um choque geracional de machismo e isso é muito legal. Também vamos abordar o machismo no sexo com temas como troca de casal, swing, namorar menina que já namorou todos os amigos, traição, com certeza.

Glamurama: Traição, preconceito, machismo, aborto… Qual desses assuntos você acha que é o maior tabu entre os homens, por quê?

Fábio Porchat: Provavelmente prazeres sexuais, que não o clássico homem penetrando uma mulher. Eles vão falar sobre outros tipos de prazeres que podem ter durante em uma relação. Isso é um tabu e tanto.

Glamurama: Como está a sua rotina na quarentena?
Fábio Porchat: Eu nunca na minha vida fico sem fazer nada. Só saio para correr. Estou vendo filme, série e  escrevendo (trabalhando), mas o meu ritmo é muito acelerado, então estou colocando as coisas em dia, ficando com a minha mulher e isso está sendo muito gostoso, tentando ver o lado positivo disso tudo.