25.10.2020  /  9:10

Escultura de bilionário americano pode tirar recorde de obra arrematada por brasileira. Entenda!

Ronald Perelman || Créditos: Reprodução

Ronald Perelman segue firme e forte com seu plano de reduzir ao máximo possível seus bens materiais. Um dos homens mais ricos do mundo, com fortuna estimada em US$ 6 bilhões (R$ 33,7 bilhões), o bilionário americano de 77 anos, que construiu sua fortuna em Wall Street, decidiu meses atrás que está na hora de se aposentar e curtir um pouco a vida, e também achou que o momento era apropriado para dividir a herança.

Casado cinco vezes e pai de sete filhos, o ex da atriz Ellen Barkin (sua quarta mulher) e atual da psiquiatra Anna Chapman (mãe de dois de seus herdeiros), começou a vender quadros e afins de arte em agosto, e de lá pra cá já levantou mais de US$ 350 milhões (R$ 1,97 bilhão) com esses negócios, sempre fechados sem muito alarde e bem longe das casas de leilões.

Dono de várias obras de artistas famosos como Jeff Koons, Mark Rothko, Andy Warhol e Pablo Picasso, Perelman agora quer se desfazer de uma escultura raríssima de Alberto Giacometti que tem há anos e que por acaso também é a mais cara de todas em sua coleção, razão pela qual dessa vez ele achou melhor contratar a Sotheby’s para ajudá-lo na tarefa.

A obra em questão é “Grande femme I”, criada pelo escultor italiano nos anos 1950 e cujo valor foi estimado em no mínimo US$ 90 milhões (R$ 505,8 milhões) por especialistas. É possível, no entanto, que sua eventual venda no martelo supere os US$ 104,3 milhões (R$ 582,2 bilhões) pagos em 2010 pela bilionária Lily Safra por um outro trabalho de Giacometti, até o hoje o mais caro com a assinatura do artista já leiloado. (Por Anderson Antunes)