Publicidade

Wanderléa preparou um show inédito em que vai mostrar os intérpretes e compositores que foram fundamentais em sua formação como cantora nesses 45 anos de carreira. Roberto e Erasmo, é claro, estão no pacote. Mas ela vai cantar coisas muito mais surpreendentes.
* Exemplo? Canções da era de ouro do rádio que ficaram famosas nas vozes de Dalva de Oliveira, Ângela Maria e Dolores Duran. Chorinhos da época em que cantava no regional do Canhoto. Canções tradicionais árabes – de onde vem sua família. Músicas latinas da sua fase de crooner na orquestra do maestro Astor. E canções de compositores modernos, como Arnaldo Antunes e Zeca Baleiro.
 * Mais? A Ternurinha também vai apresentar repertório de Tom Jobim – "Dindi" -, Braguinha – "A Saudade Mata a Gente" -, Jorge Mautner – "Ginga de Mandinga" -, Geraldo Azevedo – "Dia Branco" -, além das internacionais "Cry me a River" e "My Funny Valentine".

Wanderléa: memórias em novo show

VOCÊ TAMBÉM PODE GOSTAR

Por que um jornal centenário apostou em Taylor Swift?

Por que um jornal centenário apostou em Taylor Swift?

Neste artigo, exploramos o fenômeno cultural que é Taylor Swift e como ela está moldando a indústria da música para a nova geração. Com base na recente decisão de um jornal de criar uma seção inteiramente dedicada a ela, discutimos seu impacto nos millennials e na Geração Z, sua influência política e sua trajetória para se tornar a primeira cantora bilionária construindo sua fortuna no mundo da música. Este é um olhar profundo sobre a carreira de uma das artistas mais influentes de nossa época.

Instagram

Twitter