22.12.2019  /  9:00

Entenda como Kenny G, que voltou às paradas de sucesso, se tornou um dos músicos mais ricos do mundo

Kenny G || Créditos: Reprodução

Na ativa há mais de 35 anos e com 75 milhões de álbuns vendidos ao longo da carreira, Kenny G, que há tempos andava meio sumido, se tornou na semana passada o quinto artista a aparecer pelo menos uma vez nas últimas quatro décadas seguidas em um tradicional levantamento anual feito pela revista americana “Billboard” com as músicas mais tocadas nos Estados Unidos ao longo do período. O feito se deu graças ao single “Use This Gospel”, um dos destaques de “Jesus Is King”, o álbum lançado em outubro por Kanye West, que contou com a participação do saxofonista mais famoso do mundo e atualmente ocupa a 37º posição na edição de 2019 do ranking compilado pela publicação.

E pra quem se perguntou onde estava o músico de 63 anos que fez bastante sucesso em meados dos anos 1980 e começo dos anos 1990 antes desse retorno triunfal, a resposta é uma só: vivendo de renda, mas não necessariamente da que recebe pelos royalties de seus hits antigos. É que Kenny foi um dos investidores da Starbucks pouco antes de sua estreia na bolsa de valores, em 1992, quando a rede de cafeterias fundada pelo trio Jerry Baldwin, Zev Siegl e Gordon Bowker ainda não era a gigante que acabou virando.

O valor exato do aporte inicial dele é um mistério, mas estima-se que hoje em dia se trate de um ativo de US$ 100 milhões (R$ 407,2 milhões) a US$ 300 milhões (R$ 1,22 bilhão) – atualmente, a Starbucks tem uma capitalização de US$ 104,5 bilhões (R$ 425,5 bilhões), o que significa que Kenny pode ter entre 0,1% e 0,3% de seu capital total, um investimento que por si só o torna até mais rico que o marido de Kim Kardashian e várias outras estrelas da música. Em 2015, aliás, Kenny deu uma entrevista para o canal de notícias econômicas americano “CNBC” na qual revelou que também mantém fatias em outras companhias poderosas de capital aberto, como Apple, Microsoft e United Airlines. “Eu passo as minhas manhãs basicamente na frente do computador, monitorando os altos e baixos das bolsas”, ele disse no bate papo. Nada mal, hein! (Por Anderson Antunes)