02.05.2018  /  17:22

Emma, neta de Audrey Hepburn, revela como lida com a pressão do nome famoso

Emma Kathleen Hepburn Ferrer na Casa Glamurama, em São Paulo || Créditos: Paulo Freitas

Emma Ferrer, neta de Audrey Hepburn, esteve pela primeira vez no Brasil na última semana. Passou dias em São Paulo e se hospedou no hotel Renaissance. Por aqui participou de eventos da semana de moda da cidade, além de visitar Natal para participar da primeira edição do festival de cinema Cine Fest RN. Na capital paulista, ela passeou na companhia do amigo brasileiro Geová Rodrigues e do namorado James Gourley, e contou que não esperava encontrar uma cidade tão grande e nem com tantas árvores pelas ruas. Se encantou pela Japan House e pelo parque Trianon, que ostenta vegetação tropical e deixa qualquer gringo enlouquecido.

Emma, 24 anos, nasceu cerca de um ano após a morte da avó. Cresceu entre a Itália e Los Angeles e há três anos se mudou para Nova York. Lá escolheu o Brooklyn para morar e acaba de se mudar para um apê com o namorado, que conheceu há seis meses e acredita ser o “the one”.

Ser neta de um dos maiores ícones do cinema de todos os tempos não a fez cair no deslumbre, pelo contrário. Emma contou em visita à Casa Glamurama, que seu pai, o produtor de cinema Sean Hepburn Ferrer – filho de Audrey  com o ator Mel Ferrer (o casal estrelou juntos “Guerra e Paz”) – não costumava falar muito dela. “Acho que ele queria deixar que eu descobrisse sozinha quem ela era”, explica. Em sua imaginação, a avó era uma pessoa muito brincalhona, feliz e divertida.

Mas é claro que teve que lidar com o peso de ter uma genética tão célebre e confessou ter sentido na pele a pressão, especialmente por ter um estilo diferente da avó. “No passado eu achava que não era tão bonita ou magra quanto ela. Isso era algo que me preocupava, mas no fundo sempre soube que teria minha própria carreira e identidade. Atualmente me orgulho do que aconteceu.” Para se libertar das comparações, que evita até hoje, Emma teve ajuda de mentores, livros e se manteve sã. “Estar sóbria me ajudou muito”, conta. “Parei de beber, fumar, tomar café…estou totalmente sóbria e isso teve um efeito espiritual muito importante.”

Artista plástica e curadora de arte, até houve um momento na carreira que Emma apostou na moda. Tanto que foi capa de uma das maiores revistas do segmento, que abriu as portas para diversos trabalhos, como a própria reconhece. “Durante um ou dois anos estive muito ocupada. Neste ponto da minha vida acho importante criar minha carreira intelectual e não depender mais de meus pais”, completa. Agora, ela está totalmente envolvida com o universo da arte, transição que aconteceu naturalmente. Em Nova York, atua como artista plástica e tem produzido obras abstratas que em breve pretende expor, além de trabalhar como curadora de arte, tendo exibido há pouco sua primeira exposição, inclusive ligada ao mundo fashion: “Ideas Get Dressed: Works by Zac Posen, Manolo Blahnik, Roland Nivelais, Raquel Davidowicz, Sara Zielinski, and Geova Rodrigues” na galeria de arte Sapar, em Nova York.

ÍCONE

Emma também escreve em parceria com seu pai um livro sobre a avó, previsto para ser lançado em 2019, em várias línguas. O insight que os fez dar início ao projeto? “A forma como tantas jovens continuam tendo a minha avó como ícone de estilo, enquanto outras estrelas da época foram esquecidos ao longo do tempo. É justamente essa atemporalidade em seu estilo que a tornou um ícone que atravessa gerações e decidimos investigar.” Emma conta que sua maior descoberta foi perceber como a imagem da avó era magistralmente calculada. “Havia muita coisa por trás do que Audrey mostrava, não foi apenas uma pessoa linda que se tornou famosa. Não podiam fotografá-la, por exemplo, sem que estivesse devidamente preparada, o que mostra que ela sabia exatamente o que queria e como chegar lá.”

PADRÃO DE BELEZA

Audrey se fez um ícone sem obedecer aos padrões de beleza da época, que apontavam para mulheres mais curvilíneas. “Ela foi muito mais do que um rosto bonito, tinha personalidade muito forte e não se encaixava nos padrões de beleza da época, mas não se importava. Era muito insegura em relação ao seu pescoço longo e ao pé grande, por exemplo. Usava modelos de sapatos que deixavam seus pés ainda maiores e não se importava com isso”, conta Emma, que herdou da avó certa aversão à cirurgia plástica. “Mesmo sendo uma das mulheres mais lindas de todos os tempos, minha avó entendeu que seus valores estavam além disso e assumiu os defeitos.” Sobre mulheres que seguem um padrão de beleza Emma opina: “Sou totalmente contra isso, acho que não é saudável se forçar para se encaixar em um determinado corpo. Apoio a diversidade de silhuetas e aceitação de biotipos.”

SIMPLICIDADE 

Ir às compras está longe de ser o programa favorito de Emma e seguir tendências também não é a sua praia, características que herdou da avó. “O importante é criar sua própria identidade, não tentar se vestir como outras pessoas e saber que simplicidade é absolutamente o mais importante.” O desapego é tanto que muitas peças que pertenceram a Audrey, como vestidos Givenchy feitos sob medida, não estão mais na família, já que foram leiloadas. A família ainda se reúne todos os verões na casa que tem na Toscana. É a forma como eles mantêm o espírito de Audrey vivo até hoje e “ajudando as pessoas nas mais diversas situações”, contou Emma, que dá sequência ao legado da avó em sua missão humanitária.

OUTSIDER

Viver de certa forma como outsider funcionou durante muitos anos para ela, que se rendeu há pouco tempo ao Instagram. “Esperei o momento certo para aderir às redes sociais porque é um palco de grandes comparações entre pessoas e que reúne muitas mulheres preocupadas com suas aparências. Quando senti segurança de que me estaria bem ali, tendo certeza do que é de fato importante pra mim, me rendi.” Ela tem só cerca de 5 mil seguidores, número baixo se comparado a outras garotas bem nascidas como Emma, e não vê problema nisso. “Não tenho muitos seguidores, mas os que tenho são muito presentes e participativos no meu trabalho humanitário”, explica ela, que é embaixadora da ONG Unhcr, que dá suporte aos refugiados nos Estados Unidos. “Quando posto ações que estou fazendo com os refugiados eles me mandam muitas mensagens, o que faz com que eu sinta que realmente estou fazendo algo que faz a diferença.” Vendo o trabalho humanitário feito pela avó como uma inspiração ela diz: “Me orgulha saber que carrego isso como um legado.”

ANTI-KARDASHIANS

Chamada de “anti-Kardashians” pelo “New York Post”, Emma nunca foi de selfies, mas respeita quem é. “Acredito que todos são livres para fazer o que quiserem e serem felizes, mas eu particularmente não gosto de tirar fotos de si. No geral tento olhar menos pra mim. Acho que é uma natureza superficial da qual não me interesso.” (Por Julia Moura)

Emma Ferrer em frente à parede ilustrada por Nina Pandolfo na Casa Glmaurama || Créditos: Paulo Freitas