16.10.2019  /  18:03

Em bate-papo sobre inclusão na infância da ONG Serendipidade, Xuxa desabafa: “Nossas leis não protegem as crianças”

Henri Zylberstajn, da Serendipidade, Xuxa e Paulo Morais / Crédito: Torin Zanette

Na última terça, Xuxa participou de um bate-papo para um grupo de 150 convidados sobre inclusão infantil. O evento é parte das atividades de divulgação e captação de recursos da ONG Serendipidade. Durante a conversa, a apresentadora falou sobre a sua missão e defendeu a bandeira levantada pela ONG: “Nossas leis não protegem essas crianças. A gente não pode mais ter escolas em que a cadeira de rodas não passa na porta, que não têm rampa, ninguém que fale libras, onde não têm um apoiador para quem é cego, uma professora preparada para lidar com um aluno autista”, lamentou.

O Serendipidade impacta atualmente mais de 16 mil pessoas e surgiu há um ano e meio a partir do engajamento do casal Marina e Henri Zylberstajn, logo após o nascimento do filho Pedro (o Pepo), diagnosticado com síndrome de Down. Para abordar o assunto, criaram a conta @PepoZylber no Instagram, onde dividem a nova rotina familiar.

O perfil viralizou e hoje tem mais de 100 mil seguidores. Dentre as iniciativas do Serendipidade estão os projetos Laços, Iniciação Esportiva e Envelhecimento. O Laços atua para acolher pais e mães ao longo da gestação ou no momento do nascimento dos filhos com Síndrome de Down. “Infelizmente, a maioria das pessoas só se preocupa com a causa quando são atingidos pessoalmente, quando tem alguém na família com alguma necessidade. A gente tem que exigir isso como sociedade, não se preocupar só quando está na nossa casa”, alertou Xuxa.

Além dos projetos proprietários, o Serendipidade apoia programas de entidades como Turma do Jiló, APAE-SP, CENHA, ADERE, Friendship Circle, Apoie, Simbora Gente, Associação Paradesportiva Jr e Alma de Batera, entre outras. “O Serendipidade foi criado com a intenção de quebrar tabus ainda existentes no universo da diversidade. Queremos mostrar os benefícios que a convivência com a inclusão oferece a todos que com ela se envolvem”, finaliza Henri Zylberstajn.